“Se matamos uma pessoa somos assassinos. Se matamos milhões de homens, celebram-nos como heróis " – Charles Chaplin

Arquivo por Autor

Moloch

Moloch era um antigo deus dos fenícios. Construído de bronze, a imensa estátua continha, no bojo, uma enorme fornalha. Em honra dessa divindade implacável, as próprias mães imolavam seus filhos pequeninos.

Elas atiravam dentro do monstro de metal, os filhos primogênitos, os quais rolavam para dentro do abdômen incandescente de Moloch, sendo então devorados pelas chamas. Para não provocar arrepios nos assistentes, os iníquos sacerdotes de Moloch tomavam o cuidado de mandar soar trombetas e rufar tambores, abafando assim, no ruído de uma música infernal, o gemido dos pobres inocentes.

A Fenícia pagã desapareceu na História. E com o desaparecimento da Fenícia, acabaram-se os terríveis sacrifícios.

Acabaram mesmo?

 

 

Valeu galera até mais posts… Paulo Rick

Anúncios

Livros Apócrifos

Os Livros apócrifos, também conhecidos como Livros Pseudo-canônicos, são os livros escritos por comunidades cristãs e pré-cristãs (ou seja, há livros apócrifos do Antigo Testamento) nos quais os pastores e a primeira comunidade cristã não reconheceram a Pessoa e os ensinamentos de Jesus Cristo e, portanto, não foram incluídos no cânon bíblico.

A consideração de um livro como apócrifo varia de acordo com a religião. Por exemplo, alguns livros considerados canônicos pelos católicos são considerados apócrifos pelos judeus e pelos evangélicos (protestantes). Alguns destes livros são os inclusos na Septuaginta por razões históricas ou religiosas. A terminologia teológica católica romana/ortodoxa para os mesmos é deuterocanônicos, isto é, os livros que foram reconhecidos como canônicos em um segundo momento (do grego, deutero significando “outro”).Destes fazem parte os livros de Tobias, Judite, I e II Macabeus, Sabedoria de Salomão, Eclesiástico (também chamado Sirácide ou Ben Sirá), Baruc (ou Baruque) e também as adições em Ester e em Daniel – nomeadamente os episódios da História de Susana e de Bel e o dragão.

Os apócrifos são cartas, coletâneas de frases, narrativas da criação e profecias apocalípticas. Além dos que abordam a vida de Jesus ou de seus seguidores, cerca de 50 outros contêm narrativas ligadas ao Antigo Testamento.

O número dos livros apócrifos é maior que o da Bíblia canônica. É possível contabilizar 113 deles, 52 em relação ao Antigo Testamento e 61 em relação ao Novo.[6] A tradição conservou outras listas dos livros apócrifos, nas quais constam um número maior ou menor de livros.

 

Os principais evangelhos apócrifos e a razão de sua proibição pela Igreja Católica

Evangelho de Pedro:
Circulou provavelmente no século II, de autoria atribuída ao apóstolo Pedro; conta uma versão diferente da ressurreição de Cristo, que teria sido conduzido ao céu por dois anjos.
Foi acusado de ser uma heresia denominada “docetismo”, segundo a qual Jesus era somente espírito.

Evangelho de Filipe:
Circulou no século III, possui histórias que não estão nos demais evangelhos da Bíblia, como a de que Jesus mudava de aparência para conhecer aqueles a quem se revelava. Além disso, sugere seu relacionamento com Madalena.
Possui conteúdo gnóstico e afirma que só mulheres virgens entravariam no Paraíso (o que inviabilizaria as famílias).

Evangelho de Maria Madalena:
Nos poucos fragmentos que restaram, Cristo ressuscitado instrui seus discípulos a espalhar o gnosticismo e avisa que não deixou leis. Também afirma que Jesus transmitiu segredos a Madalena. O texto foi condenado como heresia.

Evangelho de Tomé:
Texto provavelmente do século I, possui 114 frases atribuídas a Jesus; em que Ele afirma que a salvação vem do autoconhecimento e que a centelha divina está em cada um.
Duas características marcantes do Evangelho de Tomé, que o diferenciam dos canônicos, são a recomendação de Jesus para que ninguém faça aquilo que não deseja ou não gosta e a ênfase não na fé, mas a descoberta de si mesmo.

 

Diante de tudo isso, é difícil compreender como é possível um livro considerado sagrado, ser além de escrito, formulado pelos homens conforme suas idéias retrógradas e conveniências políticas e sociais. É apenas mais um motivo para se contestar a Antiga Igreja Católica, já tão bem conhecida pela sua “Autoridade Divina”.

By: Paulo Rick


Angel of Death – Slayer

Angel of Death é uma canção, considerada por muitos controversa, da banda norte-americana de thrash metal, Slayer, e é a faixa de abertura do álbum de 1986 Reign in Blood.

O tema da letra gira em torno do médico alemão Josef Mengele, que entrou para o Partido Nazista em 1937 e para a SS em 1938, indo para o campo de concentração nazista de Auschwitz. Lá ele realizava experiências com os prisioneiros, o que lhe concedeu o apelido de “Anjo da Morte”.

Algumas de suas experiências eram testes de alta altitude, testes em queimaduras causadas por bombas incendiárias, testes com água do mar para torná-la potável, congelamento de pessoas, testes com malária, testes com gás mostarda, testes com o bactericida sulfanilamida, testes com a febre maculosa (tifo), testes com diversos venenos, entre outros. Eram os gêmeos os seus objetos de pesquisa preferidos, para ver a diferença das reações de suas experiências.

A letra de Angel of Death é constituída pela clara exposição, de forma violenta, sobre o que ocorria em Auschwitz: “Slow death, immense decay, showers that cleanse you of your life” (Morte lenta, imenso declínio, chuveiros que lhes purificam de suas vidas); “Frigid cold, cracks your limbs/How long can you last in this frozen water burial?” (Rígido frio, quebra seus membros/Quando tempo você pode aguentar nesta gélida água da morte?); sobre experimentos em gêmeos há este trecho: “Sewn together, joining heads/Just a matter of time ‘til you rip yourselves apart” (Costurados juntos, unindo cabeças/Apenas uma questão de tempo até vocês se dilacerarem). Mencionando Josef Mengele, há partes como: “Angel of death/Monarch to the kingdom of the dead” (Anjo da morte/Monarca do reino dos mortos).

Ouça a música:

Letra traduzida:

Anjo da Morte

Auschwitz, o significado da dor
A maneira que eu quero que vocês morram
Morte lenta, imenso declínio
Chuveiros que lhes purificam de suas vidas
Forçados a
Fugir como animais
Despidos do
Valor de suas vidas
Ratos humanos, para o anjo da morte,
Quatrocentos mil a mais para morrer
Monarca do reino dos mortos
Sádico, cirurgião da morte
Sadista do mais nobre sangue

Destruindo, sem piedade
Ao benefício da raça Ariana

Cirurgia, sem anestesia
Sinta a faca te perfurar intensamente
Inferior, sem uso de humanidade
Amarrado e gritando para morrer
Anjo da morte
Monarca do reino dos mortos
Infame sanguinário,
Anjo da morte

Bombeado com fluído, dentro do seu cérebro
A pressão no seu crânio começa a empurrar
Entre os seus olhos
Carne queimando, cai em pedaços
Teste de calor queima sua pele
Sua mente começando a ferver
Rígido frio, quebra seus membros
Quanto tempo você pode durar
Nessa gélida água da morte?
Costurados juntos, cabeças grudadas
Apenas uma questão de tempo
Até vocês se dilacerarem em dois

Milhões deitados
Em seus túmulos abarrotados
Repugnantes caminhos para realizar o Holocausto

Mares de sangue, imersam a vida
Cheire sua morte enquanto ela queima
Dentro de você
Cegado através de calor, olhos que sangram
Rezando pelo final de
Seu pesadelo acordado

Asas da dor, buscam te atingir
A face de morte dele te encarando
Seu sangue está correndo gelado
Injetando células, olhos mortos
Se alimentando dos gritos
Dos mutantes que ele está criando

Patéticas vítimas inofensivas
Abandonadas para morrer
Podre anjo da morte
Voando livremente

By: Paulo Rick


Poltergeist

Poltergeist (do alemão polter, que significa ruído, e geist, que significa espírito) é um tipo de evento sobrenatural que se manifesta deslocando objetos e fazendo ruídos.

Acredita-se que o foco dessa perturbação é muitas vezes uma criança na fase da puberdade, em geral do sexo feminino. O evento caracteriza-se por estar relacionado a um indivíduo e por ter curta duração. Difere da chamada assombração, que pode-se estender por anos, sempre associada a uma área, geralmente uma casa.

No fenômeno poltergeist um espírito perturbado usa o indíviduo para se manifestar, às vezes de forma agressiva, fazendo objetos como pedras, por exemplo, voarem pelos ares atingindo objetos e outras pessoas. Para a manifestação desse espírito, segundo a literatura espírita, é necessária a presença de um médium de efeitos físicos, ainda que seja completamente alheio à sua faculdade, para que os fenômenos ocorram.

Há casos famosos na parapsicológica, como o da família Lutz que, em 1976, foi atormentada por entidades inferiores durante os 27 dias que viveram em uma casa na pequena cidade de Amityville, nos Estados Unidos da América, que passaria às telas de cinema com o nome de Horror em Amityville. Um dos integrantes da família, George Lutz afirmou que durante a noite ouvia o ruído de uma banda marcial tocando na sua sala de estar, evento só constatado por ele.

Trailler oficial do filme:

 

Outro filme que trata do mesmo assunto, é o clássico de Steven Spilberg: Poltergeist, de 1982.

Link pra baixar: http://filmeedownload.blogspot.com/2008/09/poltergeist-o-fenmeno-123.html

  •  

  • By:Paulo Rick


  • Vampirismo

    Trata-se de uma doença rara. Vampirismo é um comportamento que se manifesta em todos as civilizações e estaria enquadrados entre os casos de canibalismo. O doente geralmente é homicida e sente um forte desejo de beber sangue.
    Os vampiros de filmes de terror, moram em sombrios castelos, matam suas vitimas mordendo e sugando seu sangue, mas vampiros da vida real são muito mais aterrorizantes porque não são personagem de ficção.

    O último portador de vampirismo registrado n Brasil

    O jovem Marcelo Costa de Andrade, desenvolveu a doença. Ele abordava suas vítimas, geralmente meninos pobres, com a promessa de um lanche ou um outro presente, em Niterói , RJ. Matava as crianças em seguida bebia seu sangue. Segundo o próprio; acreditava que o ato de beber o sangue das crianças o tornaria belo e mais forte. As vezes antes de matar a criança ele mantinha forçadamente relações sexuais com elas. Um menino, por sinal  sua última vítima, conseguiu fugir. A policia foi notificada e quando foi ao seu encontro, Marcelo já estava ciente que seria preso e acabou confessando tudo,  todas as  mortes. Os vizinhos, e colegas de trabalhos ficaram surpresos com a confissão de Marcelo, afinal ele parecia ser um bom rapaz inclusive freqüentava a igreja Universal do Reino de Deus e era trabalhador. Este foi o último caso registrado no Brasil de vampirismo. E Marcelo acabou preso em 1997, no Hospital Psiquiátrico Heitor Carrilho,  Rio de Janeiro.

    (Fotos de Marcelo C. Andrade)

    Outro Vampiro

    Benedito tinha 59 anos quando fugiu do Manicômio de Franco da Rocha em São Paulo, ele é acusado de matar 17 pessoas, em sete estados do Brasil. Sua  ultima vítima  foi um menino atacado na cidade de Aguai interior de São Paulo.  A criança foi encontrada morta com os punhos cortados por onde seu sangue foi sugado.

    Benedito

    Como nasce um vampiro

    Benedito foi criado pelo pai na roça em lagoa da Prata interior de Minas Gerais. Ele perdeu sua mãe quando tinha 3 anos. Seu pai era alcoólatra e batia muito nele e em seus quatro irmãos. Aos oito anos ele começou a ficar com a doença vampirismo, que se demonstrava pela fascinação que o sangue de animais mortos exercia sobre ele. Aos 18 anos tornara alcoólatra como o pai. Sua primeira morte foi quando  tinha 19 anos. humilhados por trabalhadores da roça, ele acaba matando três homens, não bebe seu sangue mas quando preso, relatou todo o ocorrido com enorme frieza à policia do Amazonas. Ele se torna um andarilho. fugindo da policia. Em 1961  mata um homem na cidade de Matão,  Goiás. Em 1966 mata sua companheira e pela primeira vez bebe o sangue de sua vítima. Depois sua trilha de vítimas seguem pelas cidades de Ituitaba , Porto Alegre,  Curitiba, Anápolis, Bambui, MG.
    Geralmente ele andava beirando as vias férreas, segundo a policia ele teria  viajado por mais de 15 mil Km.

    Em 1967 ele tentou matar sua companheira,  chegou  a ser preso  mas como ninguém da cidade sabia que ele era culpado por outros assassinatos, acabou sendo solto.

    Em Monte Santo MG,  Benetido matou duas crianças. Moradores estranhando aquele homem que não era da cidade acabaram chamando a policia. Que passou a persegui-lo.   O que mais assustou os moradores da cidade foi  seus dentes que pareciam de vampiros.

    (Foto tirada em Monte Santo, das duas crianças mortas pelo Benedito -vampirismo)

    Doze dias depois, em Aguai São Paulo, mata mais uma criança. 24 horas depois ele foi preso novamente. Sem demonstrar qualquer remorso confessou todos os crimes. Acabou sendo considerado doente mental,  e foi  internado no Manicômio Judiciário de Franco da Rocha São Paulo, onde passou a ser tratado com remédios.

    No dia 27 de de junho de 1991, fugiu aproveitando um descuido dos funcionários.  E está até hoje foragido.

    Recorte de Jornais da época

     

     

     

    Fonte: Sobrenatural.org

    Edição: Paulo Rick


    Satanismo LaVey

    Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

    O Satanismo LaVeyano ou Satanismo de LaVey foi fundado em 1966 por Anton Szandor LaVey. Seus ensinamentos são baseados no individualismo, na auto-indulgência e na moral da lei de talião, com influências dos rituais e cerimônias do ocultista Aleister Crowley e dos filósofos Friedrich Nietzsche e Ayn Rand. Empregando a terminologia de Crowley, os praticantes definem o Satanismo como o “Caminho da Mão Esquerda“, religiosa e filosoficamente, rejeitando o tradicional “Caminho da Mão Direita” de religiões como o Cristianismo por sua percepção da negação da vida e ênfase na culpa e na abstinência. Diferentemente do Satanismo Teísta, o Satanismo LaVeyano não envolve nenhum tipo de adoração, usando “Satã” como um símbolo dos valores carnais e terrenos, inerentes à natureza humana.

    Anton LaVey fundou a primeira e maior organização de suporte religioso, a Church of Satan (Igreja de Satã) em 1966, e escreveu as crenças e práticas satanistas publicadas sob o título de The Satanic Bible (A Bíblia Satânica) em 1969. De acordo com a Igreja de Satã, há muitos satanistas pelo mundo, incluindo membros e também não-membros. Ela rejeita a legitimidade de quaisquer outras organizações de satanistas, chamando-os de cristãos-reversos e pseudo-satanistas. Embora o número exato de membros nunca tenha sido divulgado, estima-se que o número esteja em torno das dezenas de milhares.

    Crenças

    Em A Bíblia Satânica, Anton LaVey descreve Satã como uma força motivadora e balanceadora na natureza. Satã também é descrito como “A Chama Negra”, representando a personalidade e os desejos mais íntimos da pessoa. Satã é visto como um sinônimo da natureza e, metaforicamente, com certos conceitos de um deus ou divindade suprema. Em seu mais importante ensaio, Satanism: The Feared Religion (Satanismo: A Religião Temida), o atual líder da Igreja de Satã, Peter H. Gilmore, afirma:

    “Os satanistas não acreditam no sobrenatural, nem em Deus e nem no Demônio. Para o satanista, ele é seu próprio Deus. Satã um símbolo do homem vivendo da forma como dita sua natureza carnal e magnífica. A realidade por trás de Satã é simplesmente a força obscura e evolucionária da entropia que permeia toda a natureza e dá os meios para a sobrevivência e propagação inerente a todas as coisas vivas. Satã não é uma entidade consciente a ser adorada, mas uma reserva de poder dentro de cada ser humano para ser tomada à vontade. Assim, qualquer conceito de sacrifício é rejeitado como uma aberração cristã — no Satanismo não há divindades por quais se sacrificar.”


    Black Sabbath – Back to the Eden

     
    “We Are The Star Demons, Reaching Out Yeah, We Want To Touch Your World, We Are the Dream Makers, Pure And Sweet Yeah, We’re Gonna Change Your World.

    When You’re Tired Of Giving Reasons And Freedom Fighting Freedom If You’re Searching For An Answer, We Can Bring You Back To Eden.
    There’s No Need For Pain And Anger, The Power Of Peace Can Destroy The Gun. Leave Behind Man’s Vanity Yeah, And Living Life On The Run.”

     
    Podemos notar vários elementos “trevosos” nessa música, tais como a ironia feita através de Demônios que vão te levar pro Eden (céu) e a relação paradoxal entre paz e armas em “o poder da paz pode destruir as armas”. Sobre os elementos musicais: confira por você mesmo ao escutar a música, vale a pena.

     

     

    By: Paulo Rick