“Se matamos uma pessoa somos assassinos. Se matamos milhões de homens, celebram-nos como heróis " – Charles Chaplin

Magia

O lado negro da Maçonaria (Parte 2)

E ai galera, dando continuação a Matéria “ O lado negro da maçonaria “ essa é a segunda parte, quem não acompanhou aconselho a ler a primeira parte clikando aqui. Sem delongas vamos a segunda parte de O lado negro da maçonaria.

Continuando sobre a forma dos rituais, outro ritual parecido com o anterior citado é que todo maçom coloca seu dedão em sua garganta e faz o juramento de sangue para não revelar os segredos da maçonaria ou terá sua garganta cortada esse juramento pagão,

serve para eles não revelarem os segredos de acordo com o seu progresso na loja, passando pelos graus, a maioria dos homens irão entrar no rito escocês e progredir até o 32º grau, e em cada um desses graus eles irão adorar Deuses diferentes deuses egípcios, deuses da persa, deuses gregos, e eles camuflam isso com símbolos alegorias, como se fosse um teatro,  para que os Maçons iniciantes não entendam inteiramente o sentido daquilo, na loja azul, o principiante é iniciado para a trindade egípcia de mistérios antigos do Egito, e ao mesmo tempo  a trindade egípcia é escondida por símbolos etc, sendo assim o principiante não sabe o por que da importância da trindade, e acaba sendo algo inútil no inicio, mas se eles lerem os livros que explicam os símbolos fica tudo óbvio  saber no que eles estão envolvidos, eles estão envolvidos em adoração pagã, muitos dos livros se baseiam na cabala que é o livro de ocultismo do Egito.

O paganismo era e é uma religião da natureza seus rituais eram desenvolvidos ao redor das fases da lua e nas estações do ano etc, então há uma dualidade, sol e lua, luz e escuridão, ativo e passivo, macho e fêmea, o paganismo desenvolve direitos de fertilidade baseada sobre o ato sexual , mas especificamente orgãos reprodutores sexuais, esta é uma das razões para o maçom quando entra na loja usa um avental de pelica branco, eles usam o avental como uma cobertura no que eles realmente acreditam, no principio gerador da vida, como também seu mais conhecido símbolo que é o compasso e o esquadro, que o esquadro representa o feminino e o compasso é o masculino sobre o feminino que está fertilizando a fêmea sendo assim o principio da vida, o orgão masculino é a imortalidade da vida, quando eles falam de imortalidade, eles falam sobre a recriação da vida através do ato sexual, falando de símbolos não podemos esquecer o obelisco, o obelisco é um pilar de pedra alta com base quadrada  e com o topo de pirâmide, e era usado pelos egípcios como símbolo de ressurreição a ideia era um símbolo fálico faraônico ficava erguido e ereto como símbolo de procriação onde a pessoa era ressuscitada através de seus descendentes este era o argumento usado naquela época, e o mesmo se repete hoje por exemplo onde há um maçom enterrado com frequência há um obelisco usado para marcar o túmulo por exemplo George Washington tinha obelisco em seu túmulo algumas vezes no obelisco existe o esquadro e o compasso para afirmar com toda certeza de onde eles tinham vindo.

Parece incrível que maçonaria esse sistema de moralidade e formadores de bons homens possa ser realmente paganismo não é ?

Então iremos para mais um fato, o ponto dentro do circulo é um dos símbolos mais eminentes o grão mestre Albert Pike ensina no livro O simbolismo da maçonaria, página 353.

“O ponto dentro do circulo é derivado da adoração ao sol que é na realidade de origem fálica é um símbolo do universo sol representado pelo ponto e o circulo o universo”

Em o manual da loja página 56,Albert  Mackey disse.

“O fálico era a imaginação do orgão gerador masculino era representado geralmente por uma coluna que na sua base era rodeada por um circulo, o ponto dentro do circulo foi intencionado pelos antigos como uma espécie de poder falico da natureza do qual eles adoravam de uma forma única do ativo ou principio macho e o do passivo ou principio da femea”

O paganismo reconhecia e adorava esses poderes como a força criativa na  natureza Albert Pike era Grã comandando do rito escocês em 1800, do seu livro morais e dogmas.

“O sol  e a lua representa os dois grandes princípios de toda geração, o ativo e  o passivo, o macho e a fêmea, ambos brilham sua luz sobre seus descendentes, a estrela brilhante ou Hórus”

Essas autoridades da maçonaria concordavam que o simbolismo da maçonaria era ocultista e derivado do paganismo.

A bruxaria é a religião do paganismo, a adoração do Deus sol e da Deusa  lua em várias formas, os relatos de bruxos e de maçons são muito similares, ritual de iniciação, símbolos etc.

então é isso galera mais um post terminando por aqui, lembrando que esses textos são baseados em documentários e textos, não é a nossa opinião, queremos apenas divulgar a semelhança que pode ser proposital ou não, mas que é intrigante isso é.

irá haver mais umas duas partes sobre esse tema, para terminar a matéria então se preparem, pois o assunto é interessante, até o próximo post abraço.

Pesquisa e texto: Janderson Shift

Anúncios

O Necronomicon

O Necronomicon (Livro de Nomes Mortos) também conhecido por Al Azif (Uivo dos Demônios Noturnos) foi escrito por Abdul Alhazred, em torno de 730 d.C, em Damasco. Ao contrário do que se pensa, não se trata somente de um compilado de rituais e encantos, e sim de uma narrativa dividida em sete volumes, numa linguagem obscura e abstrata. Alguns trechos isolados descrevem rituais e fórmulas mágicas, de forma que o leitor tenha uma idéia mais clara dos métodos de evocações utilizados. Além de abordar também as civilizações antediluvianas e mitologia antiga, tendo sua provável base no Gênese, no Apocalipse de São João e no apócrifo Livro de Enoch. Reúne um alfabeto de 21 letras, dezenove chaves (invocações) em linguagem enochiana, mais de 100 quadros mágicos compostos de até 240 caracteres, além de grande conhecimento oculto.

Segundo o Necronomicon, muitas espécies além do gênero humano habitaram a Terra. Estes seres denominados Antigos, vieram de outras esferas semelhantes ao Sistema Solar. São sobre-humanos detentores de poderes devastadores, e sua evocação só é possível através de rituais específicos descritos no Livro. Até mesmo a palavra árabe para designar antigo, é derivado do verbo hebreu cair. Portanto, seriam Anjos Caídos.

O autor do Necronomicon, Abdul Alhazred, nasceu em Sanna no Iêmen. Em busca de sabedoria, vagou de Alexandria ao Pundjab, passando muitos anos no deserto despovoado do sul da Arábia. Alhazred dominava vários idiomas e era um excelente tradutor. Possuía também habilidades como poeta, o que proporcionava um aspecto dispersivo em suas obras, incluindo o Necronomicon. Abdul Alhazred era familiarizado com a filosofia do grego Proclos, além de matemática, astronomia, metafísica e cultura de povos pré-cristãos, como os egípcios e os caldeus. Durante suas sessões de estudo, o sábio acendia um incenso que combinava várias ervas, entre elas o ópio e o haxixe.

Alhazred adaptou a interpretação de alguns neoplatonistas sobre o Necronomicon. Nesta versão, um grupo de anjos enviado para proteger a Terra tomou as mulheres humanas como suas esposas, procriando e gerando uma raça de gigantes que se pôs a pecar contra a natureza, caçando aves, peixes, répteis e todos os animais da Terra, consumindo a carne e o sangue uns dos outros. Os anjos caídos lhes ensinaram a confeccionar jóias, armas de guerra e cosméticos; além de ensinar encantos, astrologia e outros segredos.

Existe uma grande semelhança dos personagens e enredos das narrações do Necronomicon em diversas culturas. O mito escandinavo do apocalipse, chamado Ragnarok, é sugerido em certas passagens do Livro; além dos Djins Árabes e Anjos Hebraicos, que seriam versões dos deuses escandinavos citados. Este conceito também é análogo à tradição judaica dos Nephilins.

Uma tradução latina do Necronomicon foi feita em 1487 pelo padre alemão Olaus Wormius, que era secretário de Miguel Tomás de Torquemada, inquisidor-mor da Espanha. É provável que Wormius tenha obtido o manuscrito durante a perseguição aos mouros. O Necronomicon deve ter exercido grande fascínio sobre Wormius, para levá-lo a arriscar-se em traduzi-lo numa época e lugar tão perigosos. Uma cópia do livro foi enviada ao abade João Tritêmius, acompanhada de uma carta que continha uma versão blasfema de certas passagens do Gênese. Por sua ousadia, Wormius foi acusado de heresia e queimado juntamente com as cópias de sua tradução. Porém, especula-se que uma cópia teria sobrevivido à inquisição, conservada e guardada no Vaticano.

O percurso histórico do Necronomicon continua em 1586, quando o mago e erudito Jonh Dee anuncia a intenção de traduzi-lo para o idioma inglês, tendo como base a versão latina de Wormius. No entanto, o trabalho de Dee nunca foi impresso mas chegou até as mãos de Elias Ashmole (1617-1692), estudioso que os reescreveu para a biblioteca de Bodleian, em Oxford. Assim, os escritos de Ashmole ficaram esquecidos por aproximadamente 250 anos, quando o mago britânico Aleister Crowley (1875-1947), fundador do Thelema, os encontrou em Bodleian. O Thelema é regido pelo Livro da Lei, obra dividida em três capítulos na qual fica evidente o plagio da obra de Jonh Dee. No ano de 1918, Crowley conhece a modista Sônia Greene e passa alguns meses em sua companhia. Sônia conhece o escritor Howard Phillip Lovecraft em 1921, e casam-se em 1924. Neste período, o autor lança o romance A Cidade Sem Nome e o conto O Cão de Caça, onde menciona Abdul Alhazred e o Necronomicon. Em 1926, um trecho da obra O Chamado de C`Thullu menciona partes do Livro da Lei, de Crowley. Portanto, o ressurgimento contemporâneo do Necronomicon deve-se a Lovecraft, apesar de não haver evidências de que o escritor tivesse acesso ao Livro dos Nomes Mortos.

Algumas suposições aludem a outras cópias que teriam sido roubadas pelos nazistas na década de 30. Ainda nesta hipótese, haveria uma cópia do manuscrito original feita com pele e sangue dos prisioneiros dos campos de concentração, que na 2ª Guerra foi escondida em Osterhorn, uma região montanhosa localizada próxima a Salzburg, Áustria. Atualmente, não é provável que ainda exista um manuscrito árabe do Necronomicon. Uma grande investigação levou a uma busca na Índia, no Egito e na biblioteca de Mecca, mas sem sucesso.

Antes que alguém diga que o Livro é ficção, tenho uma curiosidade pra vocês, um garoto chamado Brian Hugh Warner (Mais conhecido como Marilyn Manson) saiu de uma escola cristã para uma pública, ou seja, vitima fácil para o Bullying, um “colega” fazia brincadeiras de mau gosto com ele batia, xingava etc,  então pra ele as agressões só iriam parar se ele fosse seu amigo, foi mais fácil pelo seu gosto musical etc,  e em um certo dia Brian foi passar o final de semana na casa dele, ele o convidou para ver algo horripilante, ele não tinha escolha, ele o levou para o quintal da sua casa, que havia um sótão lá, subindo na parte mais alta do sótão, havia um altar satânico, o Rapaz deu à ele um livro, chamado Necronomicon, e ordenou que lê-se ele estava com medo, não queria ler, o irmão do rapaz chegou  e eles fugiram, e no meio do nada encontraram uma espécie de porão, entraram e ele leu o livro, e começou as “alucinações” ouvindo vozes dizendo “ você acredita em satã?”  Brian deixou o livro cair e consumidos pelo medo eles saíram daquele lugar voltaram para casa dormiram e no dia seguinte resolveram  buscar o livro, e chegando no local, não havia mais nada,  apenas areia e mato.

Obs: Foi o proprio Marilyn Manson que relatou isso na série Celebrity Ghost Stories

Abraço, Comentem, até mais.

Texto: Janderson Shift


Aleister Crowley

Edward Alexander Crowley, ou melhor, Aleister Crowley, nascido em Lemington, Inglaterra, em 12 de outubro de 1875, falecido em Netherwood, Hastings, em 1 de dezembro de 1947, se não foi um dos maiores ocultistas do séc. XX, foi pelo menos um dos mais controvertidos.

Filho de Família puritana, foi criado na seita dos Irmãos de Plymouth. Desde cedo combateu o cristianismo, e em 1898 iniciou-se na Golden Dawn (Ordem Hermética da Aurora Dourada) que teria uma grande influência na sua vida e na sua obra, assim como na de seu secretário e discípulo Israel Regardie.

Com a morte da mãe, Crowley recebe como herança 40.000 libras. Dinheiro que financiaria as aventuras de sua vida; e quando o dinheiro se extinguiu, Crowley utilizou o dinheiro de diversos benfeitores, entre amigos, discípulos e amantes, que sustentariam seu luxo e suas exentricidades.

A Golden Dawn foi, em muitos aspectos, principal (e talvez o único) ramo do Rosacrucianismo nos últimos 15 anos do séc. XIX. Foi fundada por quatro membros da S.R.I.A. (Societas Rosicruciana in Anglia) – S. L. Mac Gregor Mathers, W. W. Westcott, Woodman e Woodford, segundo manuscritos vindos da Alemanha, fornecidos por uma tal Ana Sprengel. Desenvolveu-se em seu seio estudos aprofundados de Tarot e de Qabalah, assim como de magia.

A espinha dorsal da Golden Dawn era formada pelos ensinamentos mágicos herdados da Idade Média, Eliphas Levi, Francis Barret e John Dee, entre outros, além da mente brilhante de Mac Gregor Mathers que montou e organizou todos os rituais e graus da Ordem, chefiando-a inicialmente com os outros três, e mais tarde sozinho, até a dissolução da Ordem em 1900.

Mesmo após sua saída da Golden Dawn, Crowley continuou divulgar os conhecimentos que lá aprendera, seja na Astrum Argentum, ou na O.T.O. (Ordo Templi Orientis), ou mesmo nos volumes do Equinox.

Ao entrar na Golden Dawn, Crowley foi apadrinhado e instruído por Alan Bennet (Frater Iehi Aour). Assumiu o nome de Frater Perdurabo (Perdurável) e tornou-se amigo íntimo de Mac Gregor Mathers, a tal ponto que trocou seu nome pelo de Aleister Mac Gregor, querendo com isso indicar um possível laço familiar. Junto com Mathers combateu a W. Yeats, que pretendia (e mais tarde conseguiu) dividir o comando da Golden Dawn e assumir o Templo de Ísis Urânia, o principal de Londres.

A habilidade de Crowley para a magia e o ocultismo eram tais que em 1 ano, ele já dominara todos os chamados Graus Externos da Golden Dawn, causando inveja de outros membros, que recusavam-se a lhe aceitar nos Graus Internos da Ordem. O artifício de mudar o nome para Aleister Mac Gregor foi também um meio de franquear-lhe as portas para esses graus.

Aqui podemos adicionar o progresso feito por ele na Golden Dawn:

– Adeptus Minor 5º=6º Janeiro de 1900;
– Adeptus Major 6º=5º Abril de 1904;
– Adeptus Exemptus 7º=4º 1909;
– Magister Templi 8º=3º Dezembro de 1910;
– Magus 9º=2º Outubro de 1915.

Em 1905, porém, Crowley e Mathers se separaram de um modo não muito amigável. Em 1904, enquanto viajava pelo Egito com sua esposa (Rose Kelly), que tinha o dom da vidência, passam três dias (8, 9 e 10 de abril de 1904), ela ditando, e ele escrevendo, o seu evangelho, ditado pelo espírito de Aiwas (Segundo Crowley, ministro de Hoor-paar-Kraat, ou Harpócrates, pelos Gregos) conhecido pelo nome de “O Livro da Lei”.

Ainda em 1905, Crowley fundou a A:. A:. (Astrum Argentum), Ordem ocultista que segue os moldes da Golden Dawn, embora sem o mesmo sucesso.

A primeira menção feita ao Livro foi apenas em 1927 e sua primeira publicação em 1938, e os detratores de Crowley se utilizam deste argumento para dizer que ele buscava dar a obra uma antiguidade que não era real. Porém, a introdução original do Livro da Lei é assinada por O.M. e leva o selo da Golden Dawn (Aurora Dourada) e a firma ali corresponde a de Mac Gregor Mathers e nesta época Crowley ainda mantinha relações afins com a Ordem.

Em 1912 foi convidado por Teodore Reuss, Grão Mestre da O.T.O. desde 1905. A idéia inicial era que Crowley organizasse os Graus Superiores da Ordem e liderasse a Região da Irlanda, Iona e as Ilhas Britânicas. Crowley aceitou de bom grado, uma vez que a Astrum Argentum tinha poucos membros e a O.T.O. já possuía uma fama internacional, o que lhe permitiria atingir um número muito maior de pessoas com seu “evangelho da vontade e do amor”. Permaneceu na O.T.O. até 1921, quando houve uma ruptura na O.T.O., causada pela influência do Tantra Yoga (ou Magia Sexual) no 9º Grau da Ordem, que agradava a uns e desagradava a outros.

Entre 1938 e 1943, Crowley uniu-se a Lady Frieda Harris para corrigir e atualizar o Tarot Medieval. O trabalho que inicialmente deveria durar 3 meses, acabou se estendendo por 5 anos.

A primeira edição do Tarot de Crowley foi feita por Carr Collins e a sua Fundação do Santo Graal, apenas em preto e branco. Em 1969 um editor de livros de ocultismo lançaria a primeira edição em cores, mas de péssima qualidade. Apenas em 1979 é que o Tarot foi publicado com o padrão de qualidade requerido para um trabalho desta natureza.

Crowley faleceu em 01/12/1947, pobre e doente, enfraquecido por seus excessos com a bebida e drogas. Chamado pela imprensa de “O Homem Mais Perverso do Mundo”, deixou a todos os seus inimigos e admiradores “uma obra de imenso valor”, senão pelo conhecimento, talvez pelo esforço, de um homem que dedicou sua vida inteira ao estudo do oculto e da Magia. Crowley assumiu ao longo de sua vida, uma enorme quantidade de nomes e títulos que atribuía a si mesmo. Seguem abaixo alguns dos principais nomes por ele utilizados:

– Conde Vladimir Svareff;
– Master Therion;
– Príncipe Chioa Khan;
– Baphomet;
– Frater Perdurabo;
– Aleister Crowley;
– Aleister Mac Gregor;
– Lorde Boleskini.

Frases de Crowley

“Cada carta é, em determinado sentido, um ser vivo, e suas relações com as vizinhas são o que poderia-se chamar de diplomáticas. Ao estudante cabe a tarefa de incorporar estas pedras vivas a seu templo vivente” – O Livro de Toth.

“A Magia é a Arte ou a Ciência de causar mudanças com a Força de Vontade” – O Livro de Thoth.

“Há de se considerar a popularidade pueril do cinema, o rádio e os prognósticos esportivos; as competências da adivinhação e todas as invenções; úteis apenas para satisfazer aos caprichos de algumas crianças mal-criadas que carecem de vontade, de sentido e de propósito” – O Livro da Lei.

“Invoca-me sob as estrelas! O Amor é a Lei, o Amor antes do querer. Que nem os tontos equivoquem o Amor, porque há amor e Amor, existem a pomba e a serpente. Escolha Bem” – O Livro da Lei.

“A Lei é feita da tua vontade. A Lei é a do Amor, o amor sob tua vontade, não há mais a Lei; faça a tua Vontade” – O Livro da Lei.

“…A caligrafia do Livro deve ser firme, clara e bela. Na fumaça do incenso é difícil ler os conjuros. E enquanto tenta ler as palavras por entre a fumaça, ele desaparecerá, e terás de escrever aquela terrível palavra: Fracasso.

Mas não existe nem uma só folha do livro na qual não apareça esta palavra; mas enquanto é seguida por uma nova afirmação, ainda nem tudo está perdido, já que desta maneira no livro a palavra Fracasso perde toda a sua importância, da mesma maneira que a palavra êxito não deve ser empregada jamais, porque esta é a última palavra que deve-se escrever no livro, e é seguida por um ponto.

Este ponto não se deve escrever em nenhum outro lugar do livro; porque o escrever neste livro segue eternamente; não há forma de encerrar este diário até que haja alcançado a meta. Que cada página deste Livro esteja repleta de música, porque é um Livro de Encantamentos!”.

O homem mais perverso do mundo

Dentro do mundo do ocultismo, por vezes, ganharam renome especial pessoas que, pelos seus estudos e investigações, se destacaram em tão árido e enigmático campo. Noutras ocasiões foram os seus praticantes, os magos, os bruxos etc., que ganharam uma significativa popularidade, tanto pelos seus escândalos, como pela sua singular personalidade. Tal foi o caso do inglês Aleister Crowley, recordado no mundo da magia e do esotérico como um ser aberrante, ainda que dotado de um extraordinária talento para as Ciências Ocultas.

Crowley rompeu com todos os moldes ritualísticos então estabelecidos. Se, por um lado, procurou assimilar os conhecimentos clássicos mais diversos, por outro, não hesitou em melhorar tais práticas, introduzindo fórmulas novas e praticando a Magia Verde até níveis que raiavam a obsessão erótica. Foi muito criticado, atacado e caluniado, porém não perturbou. Inclusivamente, encontrava certo prazer em ser o alvo do ódio de uma sociedade que considerava caduca e atrasada. Isso ajudava, além disso, a realçar a sua enigmática figura de mago, posto que ele próprio tinha adoptado os nomes de “o homem mais perverso do mundo” e “a Grande Besta 666” (fazendo referência, com este número, ao Anticristo do Apocalipse).

Para compreender, em parte, a atuação e mentalidade desta mago que, apesar dos seus extravios, raiou o genial, penetrando nos planos mentais e mágicos, nos quais ninguém tinha ousado encontrar antes, há que recordar que nasceu em 12 de Outubro de 1875, o ano em que Helena P. Blavatsky e o seu companheiro, o coronel Olcott, fundavam, em Nova York, The Theosophical Society (A Sociedade Teosófica). E por aquela época achava-se em pleno auge o movimento espiritista em todo o mundo. As irmãos Fox assombravam com as suas experiências e as investigações de William Crookes sobre o espiritismo eram seguidas com grandes interesse pelo público, enquanto as seitas e as sociedades secretas abundavam por todas a parte e havia poucos meses que tinha falecido o francês Éliphas Lévi, autor de vários livros de magia, entre os quais se destaca Dogma e Ritual da Alta Magia.

Crowley veio ao mundo num período de enorme efervescência místico-esotérica, num momento em que a intensa inquietação pelo secreto e pelo oculto alcançava quotas muito elevadas. Abundavam as seitas revolucionárias, os textos teosóficos, os escritos sobre missas negras, os escândalos dos grupos espiritistas e a propagação de doutrinas orientais. Crowley escolheu este mundo e desprezou tão publicamente quanto pode o falso puritanismo que até então havia sido o espelho da sociedade inglesa e, em parte, ocidental. Nesse marco mágico-espiritual desenvolveu-se a personalidade de Crowley, rebelando-se contra todas as normas sociais e religiosas, até ao ponto de ele próprio acreditar ser “A Grande Besta”.

O verdadeiro nome deste singular mago era Edward Alexander Crowley e nascera em Leamington, Warwickhire (Inglaterra). Mas, em 1895, quando tinha vinte anos de idade, decidiu desligar-se do seu nome de origem, que considerava pouco menos que uma estupidez familiar, e adoptou o sobrenome de Aleister (na realidade de Alistair, a forma gaélica de Alexander), com o qual seria mundialmente conhecido.

No Verão de 1898, Crowley partiu para a Suíça, para fazer alpinismo, de que gostava tanto como de escrever poemas. Em Zermatt (Alpes suíços), conheceu um inglês chamado Julian L. Baker, estudioso dos fenómenos ocultistas. Ambos os homens tinham conhecimentos alquímicos e logo travaram uma forte amizade, unidos pelos seus conhecimentos esotéricos.

De regresso a Londres, Baker apresentou Aleister a um jovem químico chamado George Cecil Jones, que era membro da sociedade mágica denominada Hermetic Order of The Golden Dawn (Ordem Hermética da Alva Dourada). Esta nova amizade ia ser decisiva para o inquieto Aleister, pois através dela ia penetrar nos verdadeiros arcanos da magia.

Golden Dawn era uma sociedade secreta dedicada ao ensino da magia entre um grupo de pessoas selecionadas. Supunha-se que esta sociedade era depositária de segredos que se atribuíam a Hermes Trismegisto. Segundo parece, nas suas remotas origens era uma irmandade de rosacrucianos, que mais tarde derivou completamente para as práticas mais diversas. Cerca de 1850, com a morte de alguns dos seus membros mais notáveis, a sociedade pareceu eclipsar-se, mas cobrou novo alento na década dos 80.

Na sua primeira etapa, a Golden Dawn contou entre os seus sócios ocultistas tão famosos como Éliphas lévi, Ragon, Kenneth R. H. Mackenzie e Fred Hockley. E dos membros dessa segunda época há conhecidas e importantes como o poeta W. B. Yeats, o escritor de temas sobrenaturais, Algernon Blackwood, o literato do mundo do horror e do inexplicável, Arthur Machen, Bram Stocker (o criador literário de Drácula), a atriz Florence Farr, o ocultista Dion Fortune, Austin Osman Spare, Allan Bennett, Samuel Liddell MacGregor Mathers, William Wynn Westcoot e Sax Rohmer.

Em 1884, a sociedade entrou na posse de um misterioso manuscrito que foi decifrado por S.L.MacGregor Mathers que sucedeu a W.W.Westcott, uma autoridade da Cabal, como cabeça visível da Golden Dawn. Mathers traduziu e publicou em inglês As Chaves de Salomão e O Livro da Magia Sacra de Abra-Melin o Mago.

Foi nesta ordem que Aleister Crowley se iniciou na Alta Magia, começando a subir o fantástico, mas também penoso, caminho que o havia de conduzir ao ponto máximo do sobrenatural. Foi aceite como membro em 18 de Novembro de 1898, começando pelo grau zero, como Neophyte.

Tal como sucedia entre os maçons e rosacrucianos, na Golden Dawn havia várias graus de membros e os chefes eram secretos, embora existisse uma cabeça visível da Ordem. A graduação dos membros era a seguinte:

* Primeira ordem:

– Neophyte – grau zero;
– Zelator – 1.º grau;
– Theorius – 2.º grau;
– Practius – 3.º grau;
– Philosophus – 4.ºgrau.

* Segunda ordem:

– Minor – 5.º grau;
– Adeptus Major – 6.º grau;
– Adeptus Exemptus – 7.º grau.

Em dezembro do mesmo ano do seu ingresso, Crowley alcançou o grau de Zelator; depois obteve o de Theoricus e dois meses mais tarde o de Practius.

Em Maio de 1899 era já Philosophus, o que dá uma leve ideia da sua capacidade para assimilar conhecimentos mágicos, pelos quais sentia uma verdadeira obsessão, sobretudo sob o ponto de vista prático. Não havia ritual nem invocação que se não atrevesse a realizar, por muito perigoso e obsceno que o mesmo fosse, especialmente quando escalou os graus da Segunda ordem.

Disposto a cruzar todas as fronteiras humanas e da mente, pensando na “projecção astral”, tomou as mais exóticas drogas que, segundo a tradição mágica, “lhe podiam abrir as portas do mundo que se encontrava por trás do véu da matéria”. Usou o ópio, a cocaína, o haxixe… E em breve a sua existência de transformou numa série de êxtase, abominações, perversões mágico-sexuais e audácias, desafiando a opinião publica de todos os países que percorreu.

Uma guerra mágica

Na sua procura de novos segredos místicos ou mágicos, Crowley viajou, entre os anos de 1901 e 1902, pela Índia, Ceilão e Egipto. Com enorme quantidade de escritor e apontamentos, tirados dos mais raros grimórios, regressou à Inglaterra, isolando-se nas suas terras de Boleskine, próximo do lago Ness, na Escócia. Tinha ali erigido um templo em que realizava os rituais mágicos prescritos por Abramelin ou Abra-melin na sua Magia Sacra, e que eram imprescindíveis para entrar em contacto com os seres do plano astral ou espíritos superiores.

Pouco tempo mais tarde, quando tinha vinte e oito anos, contraiu matrimónio com uma viúva chamada Rose Kelly. O casal foi em viagem de núpcias a varias cidades europeias, atéue chegou ao Cairo. Uma vez ali, Aleister convenceu Rose a passar com ele uma noite na Câmara Real da Grande Pirâmide. Seguindo rituais ancestrais, evocaram o deus Thot; tiveram estranhas visões e Crowley saiu da Grande Pirâmide convencido que se encontrava no bom caminho para desenvolver os seus poderes mágicos..

O casal prosseguiu viagem até Ceilão, mas, em 1904, regressou ao Cairo, onde alugou um andar inteiro do Museu Boulak. Ali, Crowley realizou uma série de cerimonias magicas para invocar Thot o deus egípcio da magia. E, no meio de estranhas e surpreendentes circunstâncias, uma potência angélica, que dava pelo nome de Aiwass, ditou a Aleister “O Livro da Lei” (The Book of the Law) ou Liber Legis, no qual se prediz a destruição da civilização, tal como o conhecemos, e se proporciona um guia para formar a Nova Era.

Aleister considerava-se o ser eleito para ensinar o novo caminho, a força mágica que havia de servir de archote à nova civilização, mas o seu credo somente foi aceite por uma minoria, embora atualmente os acontecimentos pareçam dar-lhe razão.

Considerando que reunia maiores méritos que MacGregor Mathers para dirigir a Golden Dawn, deu os passos necessários para minar a personalidade daquele. Vendo a ambição de Crowley, Mathers utilizou todos os seus conhecimentos ocultistas para enfrentar o seu rival, e o resultado foi uma terrível guerra mágica entre os dois colossos do ocultismo inglês.

O orgulhoso Mathers depreciou totalmente as revelações feitas pelo Aiwass a Crowley e enviou-lhe, por meio de rituais de Magia Negra, uma série de demónios para o atacaram. Segundo parece, os ditos rituais demoníacos foram tirados por Mathers do livro de Abra-Melin.

O resultado foi que a ninhada de sabujos de Crowley morreu misteriosamente e o seu criado enlouqueceu, tentando matar Rose. Aleister, armado com um arpão de pescar salmões, conseguiu encerrar o demente no sótão, de onde foi retirado pela polícia.

Uma vez recomposto da surpresa desse ataque, Crowley passou à contra-ofensiva mágica. Evocou as forças guetianas, as potências malignas e os quarenta e nove servidores de Belzebu atacaram Mathers na sua residência de Montmarte (Paris). Este defendeu-se com as suas artes mágicas do furibundo ataques dos entes malignos, mas, embora tivesse ficado com vida, até à sua morte já não teve forças para continuar a lutar com “A Grande Besta”. S. L. MaGregor Mathers morreu, em 1918, sem ter feito nada de notável naqueles últimos anos. A sua saúde tinha ficado bastante abalada devido ao assalto das forças astrais e demoníacas postas em ação por Crowley. A direção da Golden Dawn passava inteiramente para as mãos de Aleister.

Rose, que era dotada do dom da clarividência, pode “presenciar” o ataque dos referidos entes malignos e descreveu-se a Crowley, que incluiu as descrições de alguns deles na sua obra The Scented Garden of Abdullah, the Satirist of Shiraz (“O Jardim de Abdullah, o Satírico de Shiraz”): Nimorup (espécie de anão de grande cabeça, longas orelhas e lábios a escorrer baba, de um verde bronzeado) e Nominon (uma espécie de grande e esponjosa medusa com uma mancha esverdeada e luminosa, como se se tratasse de uma obscena confusão).

Obras e malefícios de Crowley

Crowley praticou uma forma de magia ao estilo dos Vamacharis, seguidores da “Senda da Mão Esquerda”, que efetuavam os seus rituais com mulheres, pois estas pertencem à Lua, à esquerda, Crowley enriqueceu os rituais com práticas sexuais tântricas recolhidas nas suas viagens à India.

Foi tal a sua obsessão pela magia, que se pode dizer que, fora das suas invocações e evocações, Aleister não teve contatos com mulheres. Praticou com elas varios tipos de ritos sexuais; em alguns foi ajudado pela irmã Leila Bathurst, grande secretária geral da O.T.O., que foi a sua “mulher escarlate” (a mulher que encarnava a potência sexual criadora).

Aleister Crowley não só transmitiu uma nova seiva à Golden Dawn, como, em 1905, fundou a AA (Astrum Argentinum), associação cujo mágico pretendia formar profetas.

Crowley introduziu nos seus rituais mágicos algumas invocações gregas e egípcias combinadas com os princípios do yoga. Proclamava que cada pessoa era uma estrela e que o supremo objetivo do oficiante devia ser “transpor o abismo”. Sempre defendeu os rituais com poucas pessoas e dizia que aquele que desejasse conhecer a magia devia investigar e experimentar a sós. Afirmava que as “forças ocultas” só inspiravam individualmente profetas, não multidões.

Os ritos dos antigos egípcios e gregos tiveram grande preponderância na magia de Crowley que pretendia ser a reencarnação do sacerdote tebano Ankn-f-n-Khonsu, que viveu durante a XXVI dinastia.

Partidário da reencarnação, Crowley dizia ter tido revelações das suas antigas vidas. Assim, segundo confessa no seu diário The magical record of the Beast 666 (O Registo Mágico da Besta 666), tinha sido, o sábio chinês Ko Hsuan (um discípulos de Lao-Tzé), o Papa Alexandre VI, o conde de Cagliostro, o doutor Jonh Dee, Éliphas Lévi… Como Lévi, cujo verdadeiro nome era Alphonse Louis Constant, havia morrido seis meses antes do seu nascimento, Crowley afirmava que o espírito daquele tinha entrado no seio materno no terceiro mês da gestação.

No que refere a Jonh Dee (1527-1608), pelo qual Aleister Crowley teve uma atração especial, seguindo muitos dos seus rituais, foi um famoso astrólogo, matemático e alquimista da corte de Isabel I de Inglaterra. Um dos livros mais curiosos que deixou escrito foi A True & Faithful Relation (Uma Relação Fiel e Verdadeira), que trata dos espíritos e das aparições, publicada em Londres em 1659.

Para as suas predições, Crowley utilizava muitos dos métodos mágicos de Jonh Dee e do seu colaborador Edward kelly, médium e profeta que predisse o trágico final de Maria Stuart e o desastre da Invencível Armada, que a Espanha enviou para a Inglaterra.

É evidente que Crowley misturava os seus rituais secretos antigos com práticas satânicas, muitas das quais não foram tornadas públicas por os seus herdeiros considerarem que o público ainda não está preparado para as compreender. Atribuem-lhe mesmo missas satânicas em que se sacrificavam seres humanos. A informação fidedigna de que dispomos dá a entender que Crowley chegou a realizar algo parecido a uma missa diabólica, tanto pelos seus atos sexuais como pelos animais que sacrificava.

Durante a primavera de 1910, este, obcecado pelo oculto, realizou um extraordinário ritual em invocou Bartzabel, o espírito de Marte, para que viesse em seu auxílio e o ajudasse para que o mundo reconhecesse o seu talento e o seu poder mágico. Na cerimónia foi assistido pela violinista australiana Leila Waddell, a sua “mulher escarlate”, durante algum tempo, que também era conhecida por “Laylah” ou irmã Cibeles.

Após um romance com Mary d’Esté Sturges, companheira de Isadora Duncan, Aleister voltou para a sua “mulher escarlate”, ideal para realizar rituais sexuais. Juntos foram a Moscovo (1913), para publicamente apresentarem algumas das suas cerimónias esotéricas.

Ao rebentar a primeira Guerra mundial, Crowley partiu para os Estados Unidos, entrando em contato com vários sociedades ocultistas e fundando diversos templos. Os seus rituais depravados começaram a levantar algumas polemicas e a figura da “Grande Besta” adquiriu certa fama. O importante para ele era obter o conhecimento daquilo a que chamava Santo Anjo Guardião, yoga perfeito ou união da alma com o seu secreto manancial. E considerava que o tinha conseguido: para a posteridade deixava O Livro da lei, ditado por Aiwass.

As obras de Crowley, sobretudo The Magical Record of the Beast 666 (O Registo Mágico da Besta 666) e The Magic in Theory and Practique (A Magia na teoria e na Prática) refletem essa inquietude na procura do inacessível, de modo semelhante àquele por que os antigos alquimistas procuravam o elixir da eterna juventude. Cita inúmeros exemplos práticos mágico-sexuais: para criar energia mágica na união homem-mulher, para consagrar os talismãs com rituais autocráticos, para revitalizar o corpo, para materializar os objectos desejados…

O fim de “A Grande besta”

Com o nome de Thelema (o país em que Gargantua, a personagem criada por Rabelais, constrói a sua fantástica abadia), Aleister Crowley fundou em Cefalú (Sicília), uma abadia mágica (1920), na qual realizou os rituais mais singulares, fantásticos e depravados, com as suas seguidoras. Mas as orgias “sagradas” que se celebravam em Thelema, com consumo de drogas para obter a libertação, para facilitar a viagem astral, não duraram muito. Várias das “irmãs” tiveram de ser hospitalizadas e, em 1923, o governo italiano expulsou Crowley, fechando a abadia ocultista, na qual se tinha intentado penetrar nos arcanos das forças astrais sem considerar meios nem barreiras morais de qualquer espécie.

Crowley morreu de uma degeneração miocardíaca com complicação de bronquite cronica na noite de 1 Dezembro de 1947, em Hastings, com 72 anos. A “irmã” Tzaba, que o assistiu nos momentos cruciais ao passar a grande barreira, recolheu as suas últimas palavras, que foram: “Estou perplexo…”.

Na quinta-feira, 5 de Dezembro de 1945, os restos do ousado ocultista inglês foram incinerados no crematório de Brighton. Estiveram presentes no funeral alguns dos seus amigos, discípulos e admiradores: Gilbert Bayley, “irmãs” Tzaba e Ilyarun, “irmãos” Volo Intelligere e Aossic, o poeta Kenneth Hopkings…

No final de cerimónia fúnebre na capela do crematório, os seus seguidores entoavam o orgiástico Hino a Pã, escrito pelo próprio Crowley, seguido do Réquiem Gnóstico. O ato levantou os protestos da câmara municipal de Brighton e o responsável do crematória viu-se obrigado a desculpar-se pelo sucedido, prometendo que se tomariam medidas para que no futuro não se voltassem a repetir incidentes daquela natureza.

Como epitáfio, perante o seu túmulo, alguns dos seus fervorosos discípulos cantaram o Hino a Satã, de Carducci, e celebraram uma espécie de missa negra.

As cinzas do corpo físico de Crowley ficaram na terra, na urna do mago, mas o seu espirito, metamorfoseado em ideias e rituais graças às revelações do demônio Aiwass, embora continue a perdurar nas suas obras e entre os seus seguidores, que não são poucos, que continuam a invocar, por meios mágicos, as forças astrais por ele identificadas e tipificadas: as forças ocultas que se encontram por trás do pano de fundo da aparência real do mundo.

Fonte: Félix Llaugé e Magic(k).