“Se matamos uma pessoa somos assassinos. Se matamos milhões de homens, celebram-nos como heróis " – Charles Chaplin

Ocultismo

Moloch

Moloch era um antigo deus dos fenícios. Construído de bronze, a imensa estátua continha, no bojo, uma enorme fornalha. Em honra dessa divindade implacável, as próprias mães imolavam seus filhos pequeninos.

Elas atiravam dentro do monstro de metal, os filhos primogênitos, os quais rolavam para dentro do abdômen incandescente de Moloch, sendo então devorados pelas chamas. Para não provocar arrepios nos assistentes, os iníquos sacerdotes de Moloch tomavam o cuidado de mandar soar trombetas e rufar tambores, abafando assim, no ruído de uma música infernal, o gemido dos pobres inocentes.

A Fenícia pagã desapareceu na História. E com o desaparecimento da Fenícia, acabaram-se os terríveis sacrifícios.

Acabaram mesmo?

 

 

Valeu galera até mais posts… Paulo Rick

Anúncios

Mudvayne

Poucos conhecem a Banda de metal alternativo Mudvayne, e quem conhece provavelmente gosta por causa de sua sonoridade e visual agressivo ao máximo, mas há algo que me fascina nessa banda além desses fatores.  Pra iniciar o nome da banda “Mudvayne” veio de um sonho que o vocalista Chad Gray teve em que ele foi abduzido por extraterrestres e lá lhe deram uma senha, senha esta que hoje é o nome da banda. Ótimas letras e vídeo clips, há certo mistério sobre a banda, pouco se sabe sobre seus integrantes, os assuntos abordados pela banda é de grande inteligência, esoterismo, ocultismo, alquimia, kabbalah, astrologia, biologia, história, física, química e matemática , uma eterna busca de saber o que você realmente é, o que te faz matar, o que te faz amar. O baterista Matt é membro da Golden Dawn, o vocalista Chad, tem uma grande curiosidade sobre óvnis extraterrestres etc, e vemos isso em suas letras e maquiagens. Mudvayne é uma banda polemica e contraditória ao governo e qualquer forma de manipulação em massa.

Análise de algumas músicas.

álbum The End Of All Things To Come ‘ encontramos em algumas músicas várias menções a Golden Dawn .

‘The place you would go and try to escape
Children, learning the secret knock, a nickel
To enter that place’

Tradução — O lugar que você deveria ir e tentar escapar
Crianças aprendendo o Toque Secreto, um níquel para se entrar naquele lugar.

E lembrando que a capa do Álbum é um símbolo usado em rituais.

Scrying: Album ‘The End Of All Things To Come.

Scrying é o uso de magia ou habilidades psíquicas para ver as coisas que estão ocultas para outra pessoa.
Por exemplo quando um vidente(ou algo do tipo) esta olhando em uma bola de cristal, em inglês se fala que ele esta Scrying
No caso da música ele vê na água uma coisa que outra pessoa não pode ver!

podemos ouvir no trecho da skrying :

“skrying through refections in a pool
i see death coming, mowing down
do you remember, the bedroom
Was it your cell or was it your tomb”

traduçãoSkrying através de reflexões em uma piscina
Eu vejo a morte chegando, derrubando
você se lembra, o quarto
Era o seu cubículo ou foi o seu túmulo

Skrying é um objeto para obter informações não disponíveis normalmente. Os métodos comuns incluem espelhos, pedras, cristais bolas, piscinas de água, tinta ou sangue, fogo, e etc.

Mercy Severity: Album the end of all things to come

“Mother of creation wait
embrace the souls of the lost world and carry them away
Portal sits deep within the eye,
The eye of yin’s severity,
Rewards understanding
Portal sits deep within the eye,
The eye of yin’s severity,
Rewards understanding”

Tradução

“Abraçar as almas de um mundo perdido e levá-los embora

Portal senta no fundo do olho,
O olho da gravidade do yin,
Recompensas compreensão
Portal senta no fundo do olho,
O olho da gravidade do yin,
Recompensas compreensão”

Esse yin no caso seria menção ao yin/yang
da cultura oriental…

A “Mercy, Severity”, tem uma série de referências orientais: o Yin do Yin e Yang taoísta, e a linha de “Mãe da destruição espera / Com um cinto de caveiras me prende pra baixo” pode estar se referindo à deusa hindu Kali.

Solve et coagula: Album The end of all things to come

O nome “Solve et Coagula” vêm das palavras em latim que aparecem nos braços do mitológico demônio Baphomet. A imagem de Baphomet também indica o equilíbrio, o Yin Yang, veja que ele aponta a mão direita para uma lua branca, e a mão esquerda para uma lua preta


Cada música do The End Of All Things To Come tem um símbolo zodíaco:

* Áries – “The End of All Things to Come”
* Touro – “Trapped in the Wake of a Dream”
* Gêmeos – “Shadow of a Man”
* Câncer – “World So Cold”
* Leão – “Not Falling”
* Virgem – “The Patient Mental”
* Libra – “Silenced”
* Scorpião – “Skrying”
* Sagitário – “Solve et Coagula”
* Capricórnio – “(Per)version of a Truth”
* Aquários – “Mercy, Severity”
* Peixes – “A Key to Nothing”

Todas, exceto a 12:97:24:99. No encarte do CD, em vez de ter um símbolo zodíaco, tem a capa do álbum como símbolo, isso talvez represente o conceito de não dualidade da escola de filosofia Hindu ‘Advaita-Vedanta’, que diz que ‘A verdade somente pode ser descoberta através do silêncio’. Essa música na verdade não representa nada, ou representa algo além de todas as definições. As letras dessa música estão em hebreu.
O álbum tem fortes influências da filosofia Hindu e Budista. Mais forte é o tema da natureza do nada, que é parecido com a crença Hindu e budista que o mundo material é uma ilusão. Também tem o ciclo natural do tempo, renascimento e a presente destruição. A música ‘Mercy, Severity’ em particular, tem um número de referencias orientais, o Yin de Daoist Yin e Ya

Obs: não sei se vocês lembram-se do novo signo do zodíaco que os astrônomos dizem existir, as noticias sobre ele começaram no inicio desse ano 2011, e esse álbum do Mudvayne é de 2002, quem gosta de conspiração vai relacionar fácil a isso que vou dizer agora, a capa do Album é uma pirâmide e observando  a pirâmide maya de um certo ponto e horário especifico, se não me engano é quase quando o sol esta se pondo, feita pela sombra da pirâmide vemos uma  serpente e o nome do novo signo é Serpentário, agora fica o silêncio pra vocês refletirem sobre…..

Monolith: Album L.D 50

As palavras faladas em “Monolith” são de Terence McKenna, um famoso pesquisador de alucinógenos, explicando a sua teoria de que os símios (macacos) evoluíram para seres humanos através do consumo de cogumelos alucinógenos.

(k)Now F(orever): Album L.D 50

‘Do what you will make it the whole of your law’

Tradução — ‘faça o que deseja, faça isso toda sua lei’
é uma das regras do Thelema. A religião fundada por Crowley.

Curiosidades:

O inicio da musica Beautiful And Strange do álbum Self-titled, pode se ouvir no Filme The shining (O iluminado)

O termo All work and no play makes me a dull boy que vemos na música Dull boy, também veio do filme The Shining, não irei falar detalhes pra não estragar o filme.

O Baterista tem uma tatuagem da Golden Dawn no peito esquerdo

Mais um post terminando por aqui, e até o próximo.

Pesquisa e edição: Janderson Shift.


O lado negro da Maçonaria (Parte 2)

E ai galera, dando continuação a Matéria “ O lado negro da maçonaria “ essa é a segunda parte, quem não acompanhou aconselho a ler a primeira parte clikando aqui. Sem delongas vamos a segunda parte de O lado negro da maçonaria.

Continuando sobre a forma dos rituais, outro ritual parecido com o anterior citado é que todo maçom coloca seu dedão em sua garganta e faz o juramento de sangue para não revelar os segredos da maçonaria ou terá sua garganta cortada esse juramento pagão,

serve para eles não revelarem os segredos de acordo com o seu progresso na loja, passando pelos graus, a maioria dos homens irão entrar no rito escocês e progredir até o 32º grau, e em cada um desses graus eles irão adorar Deuses diferentes deuses egípcios, deuses da persa, deuses gregos, e eles camuflam isso com símbolos alegorias, como se fosse um teatro,  para que os Maçons iniciantes não entendam inteiramente o sentido daquilo, na loja azul, o principiante é iniciado para a trindade egípcia de mistérios antigos do Egito, e ao mesmo tempo  a trindade egípcia é escondida por símbolos etc, sendo assim o principiante não sabe o por que da importância da trindade, e acaba sendo algo inútil no inicio, mas se eles lerem os livros que explicam os símbolos fica tudo óbvio  saber no que eles estão envolvidos, eles estão envolvidos em adoração pagã, muitos dos livros se baseiam na cabala que é o livro de ocultismo do Egito.

O paganismo era e é uma religião da natureza seus rituais eram desenvolvidos ao redor das fases da lua e nas estações do ano etc, então há uma dualidade, sol e lua, luz e escuridão, ativo e passivo, macho e fêmea, o paganismo desenvolve direitos de fertilidade baseada sobre o ato sexual , mas especificamente orgãos reprodutores sexuais, esta é uma das razões para o maçom quando entra na loja usa um avental de pelica branco, eles usam o avental como uma cobertura no que eles realmente acreditam, no principio gerador da vida, como também seu mais conhecido símbolo que é o compasso e o esquadro, que o esquadro representa o feminino e o compasso é o masculino sobre o feminino que está fertilizando a fêmea sendo assim o principio da vida, o orgão masculino é a imortalidade da vida, quando eles falam de imortalidade, eles falam sobre a recriação da vida através do ato sexual, falando de símbolos não podemos esquecer o obelisco, o obelisco é um pilar de pedra alta com base quadrada  e com o topo de pirâmide, e era usado pelos egípcios como símbolo de ressurreição a ideia era um símbolo fálico faraônico ficava erguido e ereto como símbolo de procriação onde a pessoa era ressuscitada através de seus descendentes este era o argumento usado naquela época, e o mesmo se repete hoje por exemplo onde há um maçom enterrado com frequência há um obelisco usado para marcar o túmulo por exemplo George Washington tinha obelisco em seu túmulo algumas vezes no obelisco existe o esquadro e o compasso para afirmar com toda certeza de onde eles tinham vindo.

Parece incrível que maçonaria esse sistema de moralidade e formadores de bons homens possa ser realmente paganismo não é ?

Então iremos para mais um fato, o ponto dentro do circulo é um dos símbolos mais eminentes o grão mestre Albert Pike ensina no livro O simbolismo da maçonaria, página 353.

“O ponto dentro do circulo é derivado da adoração ao sol que é na realidade de origem fálica é um símbolo do universo sol representado pelo ponto e o circulo o universo”

Em o manual da loja página 56,Albert  Mackey disse.

“O fálico era a imaginação do orgão gerador masculino era representado geralmente por uma coluna que na sua base era rodeada por um circulo, o ponto dentro do circulo foi intencionado pelos antigos como uma espécie de poder falico da natureza do qual eles adoravam de uma forma única do ativo ou principio macho e o do passivo ou principio da femea”

O paganismo reconhecia e adorava esses poderes como a força criativa na  natureza Albert Pike era Grã comandando do rito escocês em 1800, do seu livro morais e dogmas.

“O sol  e a lua representa os dois grandes princípios de toda geração, o ativo e  o passivo, o macho e a fêmea, ambos brilham sua luz sobre seus descendentes, a estrela brilhante ou Hórus”

Essas autoridades da maçonaria concordavam que o simbolismo da maçonaria era ocultista e derivado do paganismo.

A bruxaria é a religião do paganismo, a adoração do Deus sol e da Deusa  lua em várias formas, os relatos de bruxos e de maçons são muito similares, ritual de iniciação, símbolos etc.

então é isso galera mais um post terminando por aqui, lembrando que esses textos são baseados em documentários e textos, não é a nossa opinião, queremos apenas divulgar a semelhança que pode ser proposital ou não, mas que é intrigante isso é.

irá haver mais umas duas partes sobre esse tema, para terminar a matéria então se preparem, pois o assunto é interessante, até o próximo post abraço.

Pesquisa e texto: Janderson Shift


Livros Apócrifos

Os Livros apócrifos, também conhecidos como Livros Pseudo-canônicos, são os livros escritos por comunidades cristãs e pré-cristãs (ou seja, há livros apócrifos do Antigo Testamento) nos quais os pastores e a primeira comunidade cristã não reconheceram a Pessoa e os ensinamentos de Jesus Cristo e, portanto, não foram incluídos no cânon bíblico.

A consideração de um livro como apócrifo varia de acordo com a religião. Por exemplo, alguns livros considerados canônicos pelos católicos são considerados apócrifos pelos judeus e pelos evangélicos (protestantes). Alguns destes livros são os inclusos na Septuaginta por razões históricas ou religiosas. A terminologia teológica católica romana/ortodoxa para os mesmos é deuterocanônicos, isto é, os livros que foram reconhecidos como canônicos em um segundo momento (do grego, deutero significando “outro”).Destes fazem parte os livros de Tobias, Judite, I e II Macabeus, Sabedoria de Salomão, Eclesiástico (também chamado Sirácide ou Ben Sirá), Baruc (ou Baruque) e também as adições em Ester e em Daniel – nomeadamente os episódios da História de Susana e de Bel e o dragão.

Os apócrifos são cartas, coletâneas de frases, narrativas da criação e profecias apocalípticas. Além dos que abordam a vida de Jesus ou de seus seguidores, cerca de 50 outros contêm narrativas ligadas ao Antigo Testamento.

O número dos livros apócrifos é maior que o da Bíblia canônica. É possível contabilizar 113 deles, 52 em relação ao Antigo Testamento e 61 em relação ao Novo.[6] A tradição conservou outras listas dos livros apócrifos, nas quais constam um número maior ou menor de livros.

 

Os principais evangelhos apócrifos e a razão de sua proibição pela Igreja Católica

Evangelho de Pedro:
Circulou provavelmente no século II, de autoria atribuída ao apóstolo Pedro; conta uma versão diferente da ressurreição de Cristo, que teria sido conduzido ao céu por dois anjos.
Foi acusado de ser uma heresia denominada “docetismo”, segundo a qual Jesus era somente espírito.

Evangelho de Filipe:
Circulou no século III, possui histórias que não estão nos demais evangelhos da Bíblia, como a de que Jesus mudava de aparência para conhecer aqueles a quem se revelava. Além disso, sugere seu relacionamento com Madalena.
Possui conteúdo gnóstico e afirma que só mulheres virgens entravariam no Paraíso (o que inviabilizaria as famílias).

Evangelho de Maria Madalena:
Nos poucos fragmentos que restaram, Cristo ressuscitado instrui seus discípulos a espalhar o gnosticismo e avisa que não deixou leis. Também afirma que Jesus transmitiu segredos a Madalena. O texto foi condenado como heresia.

Evangelho de Tomé:
Texto provavelmente do século I, possui 114 frases atribuídas a Jesus; em que Ele afirma que a salvação vem do autoconhecimento e que a centelha divina está em cada um.
Duas características marcantes do Evangelho de Tomé, que o diferenciam dos canônicos, são a recomendação de Jesus para que ninguém faça aquilo que não deseja ou não gosta e a ênfase não na fé, mas a descoberta de si mesmo.

 

Diante de tudo isso, é difícil compreender como é possível um livro considerado sagrado, ser além de escrito, formulado pelos homens conforme suas idéias retrógradas e conveniências políticas e sociais. É apenas mais um motivo para se contestar a Antiga Igreja Católica, já tão bem conhecida pela sua “Autoridade Divina”.

By: Paulo Rick


O Necronomicon

O Necronomicon (Livro de Nomes Mortos) também conhecido por Al Azif (Uivo dos Demônios Noturnos) foi escrito por Abdul Alhazred, em torno de 730 d.C, em Damasco. Ao contrário do que se pensa, não se trata somente de um compilado de rituais e encantos, e sim de uma narrativa dividida em sete volumes, numa linguagem obscura e abstrata. Alguns trechos isolados descrevem rituais e fórmulas mágicas, de forma que o leitor tenha uma idéia mais clara dos métodos de evocações utilizados. Além de abordar também as civilizações antediluvianas e mitologia antiga, tendo sua provável base no Gênese, no Apocalipse de São João e no apócrifo Livro de Enoch. Reúne um alfabeto de 21 letras, dezenove chaves (invocações) em linguagem enochiana, mais de 100 quadros mágicos compostos de até 240 caracteres, além de grande conhecimento oculto.

Segundo o Necronomicon, muitas espécies além do gênero humano habitaram a Terra. Estes seres denominados Antigos, vieram de outras esferas semelhantes ao Sistema Solar. São sobre-humanos detentores de poderes devastadores, e sua evocação só é possível através de rituais específicos descritos no Livro. Até mesmo a palavra árabe para designar antigo, é derivado do verbo hebreu cair. Portanto, seriam Anjos Caídos.

O autor do Necronomicon, Abdul Alhazred, nasceu em Sanna no Iêmen. Em busca de sabedoria, vagou de Alexandria ao Pundjab, passando muitos anos no deserto despovoado do sul da Arábia. Alhazred dominava vários idiomas e era um excelente tradutor. Possuía também habilidades como poeta, o que proporcionava um aspecto dispersivo em suas obras, incluindo o Necronomicon. Abdul Alhazred era familiarizado com a filosofia do grego Proclos, além de matemática, astronomia, metafísica e cultura de povos pré-cristãos, como os egípcios e os caldeus. Durante suas sessões de estudo, o sábio acendia um incenso que combinava várias ervas, entre elas o ópio e o haxixe.

Alhazred adaptou a interpretação de alguns neoplatonistas sobre o Necronomicon. Nesta versão, um grupo de anjos enviado para proteger a Terra tomou as mulheres humanas como suas esposas, procriando e gerando uma raça de gigantes que se pôs a pecar contra a natureza, caçando aves, peixes, répteis e todos os animais da Terra, consumindo a carne e o sangue uns dos outros. Os anjos caídos lhes ensinaram a confeccionar jóias, armas de guerra e cosméticos; além de ensinar encantos, astrologia e outros segredos.

Existe uma grande semelhança dos personagens e enredos das narrações do Necronomicon em diversas culturas. O mito escandinavo do apocalipse, chamado Ragnarok, é sugerido em certas passagens do Livro; além dos Djins Árabes e Anjos Hebraicos, que seriam versões dos deuses escandinavos citados. Este conceito também é análogo à tradição judaica dos Nephilins.

Uma tradução latina do Necronomicon foi feita em 1487 pelo padre alemão Olaus Wormius, que era secretário de Miguel Tomás de Torquemada, inquisidor-mor da Espanha. É provável que Wormius tenha obtido o manuscrito durante a perseguição aos mouros. O Necronomicon deve ter exercido grande fascínio sobre Wormius, para levá-lo a arriscar-se em traduzi-lo numa época e lugar tão perigosos. Uma cópia do livro foi enviada ao abade João Tritêmius, acompanhada de uma carta que continha uma versão blasfema de certas passagens do Gênese. Por sua ousadia, Wormius foi acusado de heresia e queimado juntamente com as cópias de sua tradução. Porém, especula-se que uma cópia teria sobrevivido à inquisição, conservada e guardada no Vaticano.

O percurso histórico do Necronomicon continua em 1586, quando o mago e erudito Jonh Dee anuncia a intenção de traduzi-lo para o idioma inglês, tendo como base a versão latina de Wormius. No entanto, o trabalho de Dee nunca foi impresso mas chegou até as mãos de Elias Ashmole (1617-1692), estudioso que os reescreveu para a biblioteca de Bodleian, em Oxford. Assim, os escritos de Ashmole ficaram esquecidos por aproximadamente 250 anos, quando o mago britânico Aleister Crowley (1875-1947), fundador do Thelema, os encontrou em Bodleian. O Thelema é regido pelo Livro da Lei, obra dividida em três capítulos na qual fica evidente o plagio da obra de Jonh Dee. No ano de 1918, Crowley conhece a modista Sônia Greene e passa alguns meses em sua companhia. Sônia conhece o escritor Howard Phillip Lovecraft em 1921, e casam-se em 1924. Neste período, o autor lança o romance A Cidade Sem Nome e o conto O Cão de Caça, onde menciona Abdul Alhazred e o Necronomicon. Em 1926, um trecho da obra O Chamado de C`Thullu menciona partes do Livro da Lei, de Crowley. Portanto, o ressurgimento contemporâneo do Necronomicon deve-se a Lovecraft, apesar de não haver evidências de que o escritor tivesse acesso ao Livro dos Nomes Mortos.

Algumas suposições aludem a outras cópias que teriam sido roubadas pelos nazistas na década de 30. Ainda nesta hipótese, haveria uma cópia do manuscrito original feita com pele e sangue dos prisioneiros dos campos de concentração, que na 2ª Guerra foi escondida em Osterhorn, uma região montanhosa localizada próxima a Salzburg, Áustria. Atualmente, não é provável que ainda exista um manuscrito árabe do Necronomicon. Uma grande investigação levou a uma busca na Índia, no Egito e na biblioteca de Mecca, mas sem sucesso.

Antes que alguém diga que o Livro é ficção, tenho uma curiosidade pra vocês, um garoto chamado Brian Hugh Warner (Mais conhecido como Marilyn Manson) saiu de uma escola cristã para uma pública, ou seja, vitima fácil para o Bullying, um “colega” fazia brincadeiras de mau gosto com ele batia, xingava etc,  então pra ele as agressões só iriam parar se ele fosse seu amigo, foi mais fácil pelo seu gosto musical etc,  e em um certo dia Brian foi passar o final de semana na casa dele, ele o convidou para ver algo horripilante, ele não tinha escolha, ele o levou para o quintal da sua casa, que havia um sótão lá, subindo na parte mais alta do sótão, havia um altar satânico, o Rapaz deu à ele um livro, chamado Necronomicon, e ordenou que lê-se ele estava com medo, não queria ler, o irmão do rapaz chegou  e eles fugiram, e no meio do nada encontraram uma espécie de porão, entraram e ele leu o livro, e começou as “alucinações” ouvindo vozes dizendo “ você acredita em satã?”  Brian deixou o livro cair e consumidos pelo medo eles saíram daquele lugar voltaram para casa dormiram e no dia seguinte resolveram  buscar o livro, e chegando no local, não havia mais nada,  apenas areia e mato.

Obs: Foi o proprio Marilyn Manson que relatou isso na série Celebrity Ghost Stories

Abraço, Comentem, até mais.

Texto: Janderson Shift


O lado negro da Maçonaria (Parte 1)

Como disse no post anterior “A Maçonaria” iria postar outro com o Lado Negro dessa Sociedade eis o Post.

Com base em textos e em documentários, fiz essa pesquisa para tentar exprimir da melhor forma possível, os conceitos dados para essa afirmação.

Como todos sabem, desde o inicio dos tempos tivemos que viver em sociedade, com várias diferenças entre elas, Econômica, cultural, étnico etc. Mas escondido, de um mero observador ou curioso existe outra sociedade separada, que passa despercebido de nossos olhos desatentos, uma sociedade cheia de segredos ditando suas próprias leis, esse é o Mundo da Maçonaria. A maçonaria se auto define como sistema de moralidade e em sua base onde todos os maçons iniciados têm que passar é a loja Azul, na loja azul se inicia os Três primeiros graus da Maçonaria, o Aprendiz é o primeiro grau, o Companheiro e o 2° Grau e o Mestre Maçon é o 3° Grau, Muitos dos maçons nunca passam do 3° Grau, Se por acaso alguém quiser passar, tem dois caminhos a ser passado, um é o Rito de York e o outro é o rito escocês a Maioria entra no Rito escocês, o Rito Escocês tem 32 Graus e o 32° Pode conduzi-lo para o santuário o 33° grau é altamente honorário. Agora vamos tentar entender um pouco a Maçonaria moderna através da Historia, havia muitos pensadores humanistas em 1500 que viam a corrupção na igreja, e eles concluíram que para se livrar daquela corrupção teria que haver uma “nova ordem mundial“ ele haviam lido a Republica de Pilatos que em 1500 era uma obra popular e Pilatos era um grande filosofo que viveu no quinto século antes de Cristo e ele disse “se nós pudéssemos ter um grupo de homens sábios que fossem bem pagos para governar o povo aí sim haveria corrupção” um bom pensamento, o nosso governo é corrupto, mas entre tantos homens ruins há homens bons, era isso que os pensadores se perguntavam em 1500, para fazer essa “nova ordem mundial” ele precisam descobrir a nova ordem mundial existente e essa ordem estava baseada no poder do Reinado de Deus pelo Rei e pela igreja para sugerir outra ordem seria uma heresia naquela época e tinham perdido suas cabeças literalmente, e daí eles tiveram que formar uma sociedade secreta, falando nos Maçons da época eles era do artesanato maçônico, foram eles que construíram as catedrais isso foi uma das formas de união dos trabalhadores eles queriam manter para si seus segredos e habilidades, os pensadores humanistas ser infiltraram dentro das lojas de artesanato maçônico e então eles se tornaram os maçons especulativos, eles era chamados assim pelos Maçons artesanais por que eles não saberiam diferenciar um esquadro de um compasso eles eram apenas os humanistas os idealistas os acadêmicos então existem dentro das lojas maçônicas dois tipos de maçons o Maçon artesanal que é o Maçon genuíno que cortava pedra etc, e o Maçon especulativo e é este o pensador humanista, este é aquele que pretende reconstruir a nova ordem mundial. A loja foi formada em 1717 na Inglaterra e muitas coisas foram desenvolvidas depois disso então veio para America e Canadá quando as pessoas migravam para a America do norte durante aqueles anos. Com o passar dos séculos o homem tem desenvolvido crenças e tradições Algumas dessas como cristianismo e judaísmo são monoteísta ou seja são baseadas no conceito de um só Deus, outras como o Hinduísmo são politeísta acreditando em vários Deuses e Deusas. Uma religião mais antiga e talvez a mais universal, emergiu praticamente intocada e geograficamente separada em culturas diferentes essa religião é o paganismo a adoração da Deusa lua e do Deus sol que também eram chamados de Apolo e Diana ou mesmo vários outros nomes o Paganismo é a mesma religião mística que emergiu na antiga babilônia há muitos anos atrás, mas qual a relação do paganismo com a Maçonaria?Então, para responder a essa pergunta, iremos por fatos, o ritual da maçonaria originou-se do paganismo egípcio e a razão para isso como podemos ver em 1717 os rituais de teologia foram reunidos e formalizados e criaram a grande loja na Inglaterra, havia varias lojas na Inglaterra e na Europa e naquele tempo eles tinham praticas diferentes, e essas praticas vieram de maçons especulativos que obviamente era o ecrucionismo, e seus membros acreditavam nas tradições egípcias, como podemos ver dentro da maçonaria encontramos Osíris, Adônis e Isis que são mencionados freqüentemente, então é claro que esses são os símbolos pagãos, um dos rituais usados nas lojas antes de 1717 e um pouco depois também era o ritual de iniciação com sangue neste momento o dedo mínimo era cortado e o sangue derramado e este era um novo membro fazendo uma aliança de sangue com a organização, outro ritual de iniciação também chamado de nível de aprendiz nesta cerimônia de iniciação parte de sua roupa é tirada uma venda colocada em seus olhos e uma corda em seu pescoço e vai ser trazido para a porta da loja, e ele vai ser trazido para a porta da loja, uma pessoa se aproxima dele e o conduz até lá dentro, então ele fica próximo ao altar e o mesmo maçon vai ficar atrás do altar e depois do altar está o venerável Mestre, então ele se ajoelha diante do mestre e o mestre da loja encosta uma espada de ponta afiada em seu peito esquerdo então, dando prosseguimento ao ritual eles fazem um juramento de sangue para não revelar os segredos da maçonaria.

Então é isso galera fique atento para a Parte 2, pois estarei revelando qual a relação da Maçonaria com religiões pagãs e outras coisas.

Pesquisa e edição de Texto: Janderson Shift


A Maçonaria

Então galera, mais uma matéria, mas não é uma matéria qualquer, é sobre a maçonaria, vai ser uma longa leitura, mas vale à pena, inicialmente o texto retrata o que a maçonaria é em termo global, posteriormente irei postar sobre o lado oculto dela que poucas pessoas sabem, sem mas, boa leitura.

A Maçonaria, Ordem Universal, é constituída por homens de todas as nacionalidades, acolhidos  por iniciação e congregados em Lojas,  nas quais, auxiliados por símbolos e alegorias, estudam  e trabalham para o aperfeiçoamento da Sociedade Humana.  É  fundada  no  Amor  Fraternal  e na esperança de que,com amor a Deus, à pátria, à família  e  ao  próximo,   com tolerância e sabedoria,  com a constante e livre investigação da Verdade, com a evolução do conhecimento humano pela filosofia, ciências e artes, sob a tríade da Liberdade, Igualdade  e Fraternidade e dentro dos  Princípios  da  Moral,  da  Razão e  da  Justiça,  o  mundo  alcance  a felicidade geral e a paz universal.

Desse enunciado deduz-se o seguinte:

I  – a Maçonaria proclama,  desde a sua origem,   a existência de um Princípio Criador, ao qual, em respeito a todas as religiões, denomina Grande Arquiteto do Universo;

II – a Maçonaria não impõe limites à investigação da verdade e, para garantir essa liberdade, exige de todos a maior tolerância;

III – a Maçonaria é acessível aos homens de todas as raças, classes e crenças,   quer religiosas quer políticas,   excetuando as que privem o homem da liberdade de consciência, da manifestação do pensamento, restrinjam os  direitos e a dignidade da pessoa humana e exijam submissão incondicional;

IV – a Maçonaria Simbólica compõe-se de três Graus universalmente reconhecidos e adotados: Aprendiz, Companheiro e Mestre;

V – a Maçonaria adota a Lenda do Terceiro Grau;

VI  –  a  Maçonaria além de  combater a ignorância em todas as suas modalidades,  constitui-se numa escola,  impondo-se o seguinte programa:

a) obedecer às leis democráticas do País;
b) viver segundo os ditames da honra;
c) praticar justiça;
d) amar o próximo;
d) trabalhar pelo progresso do homem;

VII – a Maçonaria proíbe discussão político-partidária e religioso-sectária em seus Templos;

VIII – a Maçonaria adota o Livro da Lei,  o Esquadro e o Compasso, considerados como suas Três Luzes Emblemáticas, que deverão estar sobre o Altar dos Juramentos.


A par dessa definição e  da declaração formal da  aceitação dos “Landmarks”, codificados por Albert Gallatin Mackey,  proclama, também, os seguintes princípios:

I – amar a Deus, a Pátria, a Família e a Humanidade;

II – praticar a beneficência, de modo discreto, sem humilhar;

III – praticar a solidariedade maçônica, nas causas justas, fortalecendo os laços de fraternidade;

IV – defender os direitos e as garantias individuais;

V – considerar o trabalho lícito e digno como dever do homem;

VI – exigir de seus membros boa reputação moral, cívica, social e familiar, pugnando pelo aperfeiçoamento dos costumes;

VII  –  exigir  tolerância para com toda forma de  manifestação  de      consciência, de religião ou de filosofia, cujos objetivos sejam os de      conquistar a verdade, a moral, a paz e o bem social;

VIII – lutar pelo princípio da equidade, dando a cada um o que for justo, de acordo com sua capacidade, obras e méritos;

IX – combater o fanatismo, as paixões, o obscurantismo e os vícios.

Ainda segundo o Sereníssimo Grão-Mestre da GLUSA, Weber Varrasquim:

A Maçonaria é uma Instituição que se apresenta como Caritativa, não é contra nenhuma religião e reconhece Deus como o Ser Supremo, o Grande Arquiteto do Universo.

Sua origem data de 1175, quando pedreiros ingleses, no intuito de guardarem em segredo a forma das construções góticas que tomava conta da Inglaterra, se organizaram sob a proteção de São João Batista.

Eduardo VI terminou com a Fraternidade no ano de 1547, provocando a formação da Sociedade dos Pedreiros Livres. Abraçaram o Deísmo no século XVII e construíram o Templo da Humanidade em 1650.

Em 1713 teve início a Moderna Maçonaria em Londres, que tinha como finalidade espalhar o Deísmo, os preceitos naturais e unir os homens sem distinção religiosa.

Com a aceitação de ateus na sociedade pelo Grande Oriente de França, ocorreu o Grande Cisma da Maçonaria, nascendo então as duas primeiras Grandes Potências Maçônicas no Mundo, a francesa e a inglesa.

Até então, segundo sua constituição, somente poderiam fazer parte da sociedade aqueles que acreditassem em Deus e na imortalidade da alma.

Tal fato, gerou duas Maçonarias : a Inglesa, que é teísta e apolítica; e a Francesa, que admite ateus e é política.

A partir do nascimento destas Obediências Maçônicas, surgiu então o termo “irregular” e o tão solicitado “reconhecimento”, pois os Maçons do Grande Oriente de França e as Obediências ligadas a ele não reconhecem a Grande Loja Unida da Inglaterra e vice e versa.

Resta lembrar que tanto uma quanto a outra são regulares, apenas não se reconhecem entre si, o que torna o termo “irregular” sem efeito, pois os que são irregulares para uma determinada Obediência é regular para outra e os Maçons que não são reconhecidos por uns são extremamente reconhecidos por outros.

Edição: Janderson Shift