“Se matamos uma pessoa somos assassinos. Se matamos milhões de homens, celebram-nos como heróis " – Charles Chaplin

Serial Killers

Os seis experimentos mais bizarros de todos os tempos

Os seis experimentos científicos mais bizarros de todos os tempos

Estamos aqui mais uma vez para observarmos  o quanto o ser humano pode ser cruel, bizarro esse post é dedicado aos cientistas malucos que sempre foram apresentados pela literatura e pelos filmes muitos deles são somente excêntricos, e acabam surpreendendo a todos positivamente por causa de suas manias e atitudes anormais . Entretanto, outros geralmente possuem  um lado sombrio e são capazes de criar grandes atrocidades. Os pesquisadores da lista abaixo não necessariamente possuem má índole , mas seus métodos usados para provar teorias e realizar conquistas são no mínimo assombrosos , confira agora os 6 experimentos científicos bastante assustadores

John W. Deering foi assassinado pelos cientistas em 1938, Ele já estava condenado a morte por ter assassinado uma pessoa durante um assalto e assim, teve o direito de concordar com a ideia de que os médicos monitorassem seus batimentos cardíacos durante sua execução a tiros .

No dia 3 de outubro de 1938, O condenado fez sua ultima refeição e seguiu para cumprir sua pena . sensores eletromagnéticos foram instalados em seu pulso e Deering foi alvejado pelos tiros de 5 atiradores pagos pela cidade de Salt Lake City . nos Estados Unidos .

O resultado da experiência registrou um espasmo de 4 segundos no coração de Deering pouco tempo depois, o coração teve outro espasmo e o ritmo foi diminuindo lentamente até parar por completo 15 segundos após a vitima ter sido baleada .

Segundo os autores do experimento, os resultados poderiam ser uteis para especialistas em cardiologia, já que  o efeito do medo sobre o ser humano. Os batimentos de Deering foram de 72 bpm para 180 bpm quando ele foi amarrado á cadeira de execução, Mesmo com a aparente

calma do preso, a média de batimentos ficou alta ate o fim do processo                                                                                     O cão de duas cabeças

O terrivel o experimento de Vladimir Demikhov aconteceu em 1954,Qundo o mundo ficou chocado ao ver um ção de duas cabeças, criado cirurgicamente. E a monstruosidade do cientista não terminou ai Ele não implantou somente a cabeça, mas sim toda a região dianteira de um filhote no pescoço de um pastor aleão adulto, Os jornalistas não  acreditavam no que viam, ainda mais quando as duas cabneças do animal beberam leite ao mesmo  tempo
A União Soviéntica ostentou o cachorro como prova da proeminência médica da nação e no decorrer dos quinze anos seguintes. Nenhum deles viveu por muito tempo, sendo vitimas inevitáveis da rejeição de tecido, O recorde foi de um mês.

Demikhov explicou que os cachorros faziam parte de uma série de experimentos que tinha como objetivo de descobrir uma técnica para o transplante de coração e pulmão humanos. Em 1967, O cirurgião sul-africano Christian Barnard foi o primeiro a transplantar um coração, mas Demikhov é amplamente reconhecido como o seu precursor .

Transplante de cabeça de macaco

Como era de se esperar, o feito de Vlad imir Demikhov acabou irritando outra superpotência da época, os Estados Unidos por isso na tentativa de mostrar que os seus cirurgioes eram melhores o governo americano financiou Robert White em uma série de cirurgias experimentais que resultam no primeiro transplante de cabeça de macaco do mundo em,  14 de março de 1970.

White e seus assistentes learam horas para realizarem a cirurgia, que exigiria até mesmo alguns movimentos coreografados para que pudesse ser realizados com sucesso. E eles conseguiram: remover a cabeça de um macaco e a implantaram em um novo corpo. Quando o macaco acordou no novo corpo, ele começou a seguir o cirurgião com os olhos e a demostrar raiva, deixando claro que não gostou do que tinha acontecido. Infelizmente , a cobaia sobreviveu por apenas um dia e meio, vindo a falecer por razões de complicações cirúrgicas.

Diferente do que aconteceu com Demikhov, Robert White  não foi tratado como herói pelo povo americano . A opinião publica, amedrontada pelo experimento, condenou veenmente o experimento de White. Mas isso não impediu o doutor de continuar com seus estudos , chegando a sugerir a realização do mesmo experimento com cabeças de seres humanos que,  pelo bem ou pelo mal, nunca chegou a acontecer. O cirurgião faleceu em setembro de 2010.

A eletrificação de corpos humanos

Em 178, o professor de anatomia Luigi Galvani descobriu que um pouco de eletricidade fazia com que os menbros de um sapo morto se contorcessem. Depois disso , outros cientistas européus decidiram replicar o experimento .Não demorou muito até que resolvessem partir para algo um pouco mais assustador, aplicar choques em cadáveres de seres humanos.

Foi quando Giovane Aldini, neto do professor Galvani , saiu em turne pela Europa apresentando um dos espetáculos mais esquisitos a que o mundo já assistiu. O ápice se suas apresentaçóes aconteceu em 1803, quando ele aplicou os polos de uma bateria de 120 volts ao corpo de um assassino que havia sido executado.

Quando Aldini encostou os fios eletricos na boca e em uma das orelhas do cadáver, os músculos da mandibula do morto se estremecerame era como se o ex assassino estivesse enfrentando uma grande dor. O olho esquerdo chegou a se abrir, como se estivesse encarando o seu torturador . Para terminar com chave de ouro, Aldini posicionou os fios na orelha e no reto do homem morto, fazendo fazendo com que o cadaver todo se sacudisse,como se estivesse voltando a vida.

Acredita-se que foi uma dessas experiências que influenciou Mary Shelley a escrever “Frankenstein”, romance de 1861 que se tornou um dos livros mais famosos do mundo.

O apetite sexual dos perus

Martin Schein e Edgar Hale, ambos da Universidade da Pensilvânia , ficaram intrigados com uma questão muito pertinente e que não podia ficar sem resposta : qual seria o minimo estimulo necessário para excitar um peru a ponto de ele tentar copular ? E antes que você pense besteira, e bom esclarecer . estamos mesmo falando da ave que sempre é servida na ceia de fim de ano,

Tão supreendente quanto a duvida dos cientistas foi o resultado por eles encontrado. Usando o modelo realista de uma perua, os pesquisadores foram removendo partes do seu corpo aos poucos. Mesmo sem asas , pés e cauda, o modelo continuou sendo atraente para a ave, que tentou copular mesmo assim .

Não contentes , Schein e Hale foram além : colocaram apenas a cabeça da perua em um palito de madeira e, mesmo assim, o peru demonstrou um grande interesse por aquilo. Na verdade, o estudo concluiu que a ave prefere a cabeça no palito a um corpo sem cabeça. Agora , tente não pensar nisso no próximo  natal.

Elefantes e LSD

O que acontece se você der lsd a um elefante ? Numa sexta feira, dia 3 de agosto de 1962, um grupo de pesquisadores de Oklahoma decidiu descobrir,

Warren Thomas, diretor do zoológico municipal, aplicou 297 miligramas de lsd em Tusco, o elefante. Dois outros cientistas, Louis Jolyon West e Chester M. Pierce, da faculdade de medicina da Universidade de Oklahoma, o acompanhavam.

A dose usada corresponde a 3 mil vezes a dose tipica utilizada em seres humanos, É a maior dose de LSD amais administrada a um ser vivo.

Posteriormente os cientistas explicaram que a experiencia foi planejada para descobrir se o LSD induziria o elefante ao estado de musth(um frenezi temporário que alguns machos as vezes experimentam durante o qual se torna extremamente agressivos e secretam uma substancia de odor desagradável pelas glândulas temporais ). Alguns criticos, no entanto , alegaram que não passou do desejo de satisfazer uma curiosidade doentia.

Seja lá qual for a razão do experimento ele não saiu como planejado. Tusco resgiu como se estivesse sido picado por uma abelha, trombeteou por seu cercado por alguns minutos e então caiu de pernas para o ar. Horrorizados, os pesquizadores tentaram revivê-lo, mas cerca de uma hora depois ele estava morto. Os três cientistas concluiram constrangidos “Parece que elefantes são altamente sensiveis aos efeitos do LSD”.

Nos anos que se seguiram houve controvérsia acerca da causa da morte do animal. Alguns alegaram que não foi o LSD o causador do òbito, mas sim as drogas utilizadas para reanimá-lo. Então , vinte anos depois, Ronald Siegel, da Univesidade de Los Angeles, decidiu dar fim ao debate administrando a mesma dose de LSD a dois outros elefantes.

Ao invés de injetar o LSD, Siegel misturou a droga na água.Quando administrado dessa forma o LSD parece não ser fatal aos animais. Os elefgantes não só sobreviveram como permaneceram calmos. Ficaram vagarosos, balançando para frente e para trás e emitiram ruidos estranhos parecidos com chios e trinados mas em algumas horas já estavam voltando ao normal.

Entretanto, Siegel observou que a dosagem que Tusco recebeu pode ter excedido o limiar de toxidade, de forma a ser impossivel precisar a causa da sua morte .

A polêmica continua

Valeu pessoal até o próximo post espero que gostem desse
Postagem: Filho

Anúncios

Elizabeth Báthory, a condessa de sangue.

É inacreditável como a busca pela beleza leva uma pessoa a fazer atos “bizarros” e loucuras, este é o caso de Elizabeth Báthory.

Elizabeth Báthory nasceu em 7 de agosto de 1560 na Hungria. Dizem que o motivo de seu sadismo foi pelo fato de que ela cresceu na época em que os Turcos conquistaram a maior parte do território húngaro, que servia de campo de batalha entre os exercitos do império Otomano e a Áustria dos habsburgo. A família também tomou partido junto ao protestantismo, que era uma nova forma de oposição ao catolicismo romano. Desde muito jovem a moça, muito bela, já havia sido prometida em casamento. Aos 11 anos de idade já era noiva de um conde local, mas aos 14 anos engravidou de um camponês e fugiu, para não complicar seu casamento. Não se sabe o fim que a criança teve, mas o casamento ocorreu no ano seguinte. Acredita-se que durante as viagens do Conde, Elisabeth tomava conta dos assuntos do castelo, e a partir daí começou a aflorar seu lado sádico. Além de maltratar os empregados, ela era famosa apelo comportamento arbitrário e pela crueldade com quem infringia as regras. Ela costumava espetar agulhas em partes sensíveis do corpo, como embaixo das unhas e mandava as vítimas ficarem nuas na neve para que fossem banhadas com água fria e morressem congeladas. Existem relatos de que ela teria aberto a mandíbula de uma criada até que os cantos de sua boca rasgassem. Mas ela não fez tudo sozinha, teve ajuda de Seu marido tambem, que lhe ensinou a cobrir uma mulher de mel para que insetos viessem atacar a vitima. A sua obsesão por beleza iniciou quando ela estava se penteando e uma empregada acidentalmente puxou seu cabelos. ela espancou a empregada até a morte e seu sangue espirrou na mão de Elizabeth, ela acreditou que aquele sangue havia rejuvenescido sua pele, aparti dai surgiram boatos que a condessa se banhava com sangue para mante-la bela e jovem.

No entanto, com toda sua crueldade, há relatos de que Elizabeth era uma boa mãe para os seus três filhos que teve com o conde. Elizabeth ficou viúva em 1604, e com isso aumentou ainda mais sua insanidade mental. Ela se mudou para Viena e lá conheceu outras mulheres que a incentivaram a continuar e refinar seus métodos de tortura e assassinato. Os nomes de todas as suas vítimas só foram descobertos quando uma investigação para verificar as dividas do marido teve acesso a sua agenda pessoal, que continha o nome de mais de 650 vítimas registradas com sua própria letra. Durante seu julgamento, não foram encontradas provas de seus atos, apenas testemunhas que a acusavam A condessa ficou na prisão por três anos, até sua morte em 1614. Cem anos depois, o padre jesuita Laszlo Tutoczy encontrou alguns documentos originais do julgamento e recolheu Histórias que circulavam entre os habitantes locais. Então com base nesses documentos surgiu a Lenda da condessa, de acordo com essa lenda existia em um calabouço uma gaiola com lâminas penduradas no teto, onde os condenados eram colocados e espetados com lanças, para se moverem e se cortarem, e esse sangue caia em um recipiente para os banhos de Elizabeth. Há músicas e filmes que relatam sua vida.

Banda: cradle of filth

Música: Bathory Aria

 

 

Filme:Bathoty (título original)/ Condessa de sangue (título brasileiro)

Trailer

Continuem comentando galera, obrigado por lerem  nosso blog, até o próximo post.

Edição e pesquisa: Janderson Shift


Vampirismo

Trata-se de uma doença rara. Vampirismo é um comportamento que se manifesta em todos as civilizações e estaria enquadrados entre os casos de canibalismo. O doente geralmente é homicida e sente um forte desejo de beber sangue.
Os vampiros de filmes de terror, moram em sombrios castelos, matam suas vitimas mordendo e sugando seu sangue, mas vampiros da vida real são muito mais aterrorizantes porque não são personagem de ficção.

O último portador de vampirismo registrado n Brasil

O jovem Marcelo Costa de Andrade, desenvolveu a doença. Ele abordava suas vítimas, geralmente meninos pobres, com a promessa de um lanche ou um outro presente, em Niterói , RJ. Matava as crianças em seguida bebia seu sangue. Segundo o próprio; acreditava que o ato de beber o sangue das crianças o tornaria belo e mais forte. As vezes antes de matar a criança ele mantinha forçadamente relações sexuais com elas. Um menino, por sinal  sua última vítima, conseguiu fugir. A policia foi notificada e quando foi ao seu encontro, Marcelo já estava ciente que seria preso e acabou confessando tudo,  todas as  mortes. Os vizinhos, e colegas de trabalhos ficaram surpresos com a confissão de Marcelo, afinal ele parecia ser um bom rapaz inclusive freqüentava a igreja Universal do Reino de Deus e era trabalhador. Este foi o último caso registrado no Brasil de vampirismo. E Marcelo acabou preso em 1997, no Hospital Psiquiátrico Heitor Carrilho,  Rio de Janeiro.

(Fotos de Marcelo C. Andrade)

Outro Vampiro

Benedito tinha 59 anos quando fugiu do Manicômio de Franco da Rocha em São Paulo, ele é acusado de matar 17 pessoas, em sete estados do Brasil. Sua  ultima vítima  foi um menino atacado na cidade de Aguai interior de São Paulo.  A criança foi encontrada morta com os punhos cortados por onde seu sangue foi sugado.

Benedito

Como nasce um vampiro

Benedito foi criado pelo pai na roça em lagoa da Prata interior de Minas Gerais. Ele perdeu sua mãe quando tinha 3 anos. Seu pai era alcoólatra e batia muito nele e em seus quatro irmãos. Aos oito anos ele começou a ficar com a doença vampirismo, que se demonstrava pela fascinação que o sangue de animais mortos exercia sobre ele. Aos 18 anos tornara alcoólatra como o pai. Sua primeira morte foi quando  tinha 19 anos. humilhados por trabalhadores da roça, ele acaba matando três homens, não bebe seu sangue mas quando preso, relatou todo o ocorrido com enorme frieza à policia do Amazonas. Ele se torna um andarilho. fugindo da policia. Em 1961  mata um homem na cidade de Matão,  Goiás. Em 1966 mata sua companheira e pela primeira vez bebe o sangue de sua vítima. Depois sua trilha de vítimas seguem pelas cidades de Ituitaba , Porto Alegre,  Curitiba, Anápolis, Bambui, MG.
Geralmente ele andava beirando as vias férreas, segundo a policia ele teria  viajado por mais de 15 mil Km.

Em 1967 ele tentou matar sua companheira,  chegou  a ser preso  mas como ninguém da cidade sabia que ele era culpado por outros assassinatos, acabou sendo solto.

Em Monte Santo MG,  Benetido matou duas crianças. Moradores estranhando aquele homem que não era da cidade acabaram chamando a policia. Que passou a persegui-lo.   O que mais assustou os moradores da cidade foi  seus dentes que pareciam de vampiros.

(Foto tirada em Monte Santo, das duas crianças mortas pelo Benedito -vampirismo)

Doze dias depois, em Aguai São Paulo, mata mais uma criança. 24 horas depois ele foi preso novamente. Sem demonstrar qualquer remorso confessou todos os crimes. Acabou sendo considerado doente mental,  e foi  internado no Manicômio Judiciário de Franco da Rocha São Paulo, onde passou a ser tratado com remédios.

No dia 27 de de junho de 1991, fugiu aproveitando um descuido dos funcionários.  E está até hoje foragido.

Recorte de Jornais da época

 

 

 

Fonte: Sobrenatural.org

Edição: Paulo Rick


Edward Gein

mais conhecido como Ed Gein, nasceu em 1907 na cidade de Plainfield, Winsconsin EUA.Ed tem o perfil típico de um serial killer, foi espancado por sua mãe na infância que o ensinou que sexo era um pecado. Depois que seus pais e irmãos morreram, Ed continuou morando sozinho em sua casa, sendo assombrado pelo fantasma de sua mãe. Ele trancou o quarto dela e não o alterou.Depois de algum tempo, Ed começou a desenvolver um interesse doentio pela a anatomia feminina e logo dedicou-se a desenterrar corpos de mulheres para multilá-los e satisfazer suas fantasias relativas a necrofília e canibalismo. Guardava as cabeças e dissecava os orgãos, arrancava cuidadosamente a pele dos corpos e colocava sobre um manequim feminino. Às vezes, ele mesmo vestia a “roupa” feita de pele e dançava alegremente pela casa! Colocava orgãos genitais femininos em calcinhas nas quais vestia.Mais tarde, começou a matar mulheres da idade de sua mãe a pedido da própria, que já havia falecido. Ele ouvia e via sua mãe, que o incitava a matar. A primeira vítima foi Mary Hogan, dona do bar que ele frequentava, em dezembro de 1954. A segunda vítima foi Bernice Worden dona da loja de ferragens que ele costumava frequentar, em novembro de 1957. O corpo de Bernice foi encontrado despido e decapitado com um corte que ia da vagina até o pescoço, pendurado de cabeça para baixo num gancho de açogueiro e amarrado com cordas. Seus intestinos e orgãos foram encontrados dentro de uma caixa e seu coração estava em um prato na sala de jantar.Foram encontrados mais “artefatos” bizarros de Ed: “máscaras” da pele de dez cabeças humanas penduradas no quarto, as quais ele vestia; a pele do torso de uma mulher foi transformado em um tapete; um cinto feito de mamilos; uma cadeira e algumas lâmpadas forradas com pele humana; alguns crânios usados como pratos de sopa; uma mesa sustentada por ossos de canela humana. A geladeira estava repleta de órgãos humanos, em cima da cama havia pendurado uma cabeça humana. Os policiais também descobriram uma caixa de sapatos cheia de genitálias femininas conservadas em sal, inclusive a de sua mãe, que estava pintada de prateado.Ed confessou que gostava de se vestir com as roupas e máscaras confeccionadas de pele humana e fingir ser sua própria mãe. Havia mais quinze corpos espalhados por sua fazenda na noite em que foi preso. Ed disse que não se lembrava, ao todo, quantos assassinatos havia cometido.Artefatos encontrados na fazenda de Gein:Braceletes, um tambor e um abajur feitos de pele humana; Um crânio usado como tigela de sopa; O corpo decapitado de Bernice, pendurado no quintal e cortado como em um abatedouro; Quatro narizes num copo de cozinha; Um par de lábios pendurados num fio; Um coração humano no forno; Um cinto feito de mamilos; Partes de diversos orgãos humanos na geladeira, extraídos de aproximadamente quinze corpos diferentes; Nove vulvas dentro de uma caixa de sapatos.

Ed Gein, foi o “carinha” que inspirou Leatherface, o assassino do filme “O massacre da serra elétrica”, Norman Bates de “Psicose” do Hitchcock e Buffalo Bill de “O silêncio dos inocente”, filme de Jonathan Demme.

Abaixo o Video de umas das minhas bandas preferidas, Mudvayne, fez essa musica para o Serial Killer Ed Gein, Curtam.